Velberan – A história de Art of Fighting

Velberan conta a história da série Art of Fighting, um injustiçado, porém dos mais importantes nomes de jogos de luta da história, trazendo cenas dos games, sua evolução, ligações com KoF, críticas e várias curiosidades. [Acesse a descrição completa]

Newsletter:

Visão geral

Neste vídeo, o Velberan nos traz a história de Art of Fighting, um injustiçado, porém dos mais importantes nomes de jogos de luta da história e uma das franquias que serviram de base para a extremamente popular The King of Fighters.

Art of Fighting é uma série de games de luta da SNK formada por três jogos: Art of Fighting (1992), Art of Fighting 2 (1994) e Art of Fighting 3: The Path of the Warrior (1996). Lançada originalmente para a plataforma Neo Geo, foi a segunda franquia de jogos de luta criada pela empresa, sendo uma prequela da série Fatal Fury, outro grande nome do gênero.

A série Art of Fighting segue as convenções da época: o jogador enfrenta uma variedade de oponentes em disputas de melhor de dois rounds e cada um dos personagens do jogo tem um estilo de luta único, ataques básicos e um conjunto de técnicas especiais.

Os jogos seguem as lutas dos alunos do Kyokugen Karate Dojo, Ryo Sakazaki e Robert Garcia, em 1978. Ryo é filho do criador da disciplina Kyokugen Karate, Takuma Sakazaki, e Robert é o filho rebelde de uma família bilionária da Itália. Os dois jogos iniciais são ambientados em South Town, um local comum nos games da SNK (o cenário da série Fatal Fury), enquanto o terceiro parece acontecer em uma área fictícia do México.

O enredo de Art of Fighting faz alusões ao Fatal Fury. Art of Fighting 2, por exemplo, documenta a ascensão de Geese Howard de comissário de polícia corrupto a senhor do crime de Southtown. Diz-se que Takuma é contemporâneo de Jeff Bogard, pai adotivo dos principais heróis de Fatal Fury, Terry e Andy Bogard, sendo que o assassinato de Jeff Bogard nas mãos de Geese Howard desencadeia os eventos da série Fatal Fury.

Uma inovação de Art of Fighting para o gênero luta foi a inclusão de um “medidor de espírito”, que fica abaixo da barra de saúde do personagem. Quando os personagens executam técnicas especiais, seu medidor de espírito se esgota e seus ataques especiais enfraquecem. Os jogadores também podem drenar o medidor de espírito de seu oponente provocando-os com um botão próprio.

A série foi também a primeira a permitir realizar um “super ataque”. No Art of Fighting original, o personagem pode aprender um super ataque (super death blow) completando uma das rodadas de bônus de uma partida (esta técnica está disponível por padrão no terceiro jogo). Todos os três games também apresentam os Desperation Attacks (algo como “Ataques de Desespero”) que infligem uma quantidade absurda de dano, mas só podem ser realizados quando a saúde do jogador está baixa e a barra de vida piscando.

Outra novidade foi o escalamento gráfico: conforme os personagens se movem pra perto uns dos outros, a câmera aumenta o zoom para maximizar o nível de detalhe. Os sprites dos lutadores em Art of Fighting mudam conforme a peleja avança para se tornarem mais machucados e cortados conforme o dano é sofrido. Tem também aquele salto que você agarra na parede e depois pula de novo lado oposto, chamado de “Sankaku Tobi” em algumas listas de golpes.

Enfim, em meio a várias cenas dos games, o Velberan fala sobre estas e outras informações sobre a franquia, incluindo sua evolução, ligações com a The King of Fighters, suas críticas, as acusações de ser plágio de Street Fighter II e várias outras curiosidades.

O vídeo foi publicado originalmente em 2014, mas ainda é bom. Um daqueles bem nostálgicos, informativos e que não tem data de validade.

Deixe aí nos comentários o que você acha do Art of Fighting e tal.

Mais curiosidades


Vídeo adicionado em: 8 de agosto de 2021

Categorias: Vídeos

Tags: ,

Autor/canal: Velberan

Acessado: 36 vezes.

Duração: 17:43

Deixe um comentário