Conheça dez curiosidades sobre o Mega Drive

5 de janeiro de 2018

Conheça dez curiosidades sobre o Mega Drive, o popular e querido console da Sega, no sétimo episódio do nosso Mega Nostalgia, a nossa série de vídeos a respeito do relançamento deste console pela Tectoy, mas que acabou fugindo um pouco do tema, desta vez.

Estas curiosidades foram retiradas de um artigo de autoria de Felipe Vinha para o TechTudo, “Lista traz curiosidades do Mega Drive que você nunca imaginou“, que tem realmente umas informações novas  (embora algumas já sejam velhas de guerra). O Facínora comentou a lista e tentou enriquecê-la, na medida do possível, e lançou o vídeo abaixo baseado nela:

Abaixo, temos as curiosidades abordadas na lista original e no vídeo:

  1. O Mega Drive não tem mesmo nome no mundo todo. Nos EUA, ele é conhecido como Genesis, enquanto nas terras tupiniquins e no Japão como Mega Drive. Aliás, o videogame nem foi lançado com a mesma aparência em todo lugar;
  2. O console ainda faz sucesso em nosso país. Mesmo depois de décadas após ser descontinuado no Brasil, o Mega Drive foi relançado com vários nomes e aparências, e algumas nada ortodoxas. Inclusive, em 2016, 1 ano depois deste artigo da TechTudo, o aparelho ainda foi relançado com entrada para cartucho, cartão SD e aparência que lembra o console original, o nosso famoso Mega Drive da Tectoy (embora a empresa tenha sido responsável por vários outros relançamentos do produto anteriormente);
  3. Blast Processing. O superior poder de processamento do console 16-bit da Sega em relação ao seu principal concorrente da época, o Super Nintendo, foi divulgado como “Blast Processing”. Na verdade, não passava de um nome chique para exaltar o maior poder gráfico e de processamento do Mega em relação ao SNES;
  4. Os periféricos. O Mega Drive recebeu vários interessantes, memoráveis e úteis acessórios. Tem o 32X, o Sega CD, a Power Base etc. Esta característica fez com que alguns chamassem o console de videogame “transformer” ou de “Megazord”, por acoplar várias partes menores para formar um videogame só, como fazem aqueles robôs gigantes das séries sentai;
  5. Internet Banking. Uma parceria entre Tec Toy e o Banco Bradesco na época rendeu um cartucho que permitia o acesso ao banco através da Internet. O Telebradesco, como era chamado o produto, tinha uma entrada onde você podia conectar o cabo do telefone na linha telefônica. Já tinha seu próprio modem? Enfim, com uma rápida discagem, o aparelho se conectava à rede e podia acessar a conta, fazer transferências e tal, ainda na época em que a Internet só estava começando a ficar popular em nosso país;
  6. O Mega Drive foi o terceiro console lançado pela Sega. Ao contrário do que muita gente ainda possa pensar, o Mega só foi lançado depois de outros dois consoles da firma japonesa, o SG-1000 (1983) e o Master System (1985). Muita gente acha que o Master foi o primeiro e o Mega Drive o segundo, mas quem viu o nosso vídeo que anunciava o Sega Forever sabe que não;
  7. Versões portáveis. O console teve várias versões portáveis e nem todas foram gambiarras chinesas ou relançamentos caça-níquel da Tec Toy. A primeira, conhecida como Nomad, foi lançada em 95 pela própria Sega e usava os mesmos cartuchos do Mega Drive, embora gastasse muita pilha;
  8. Sonic foi o grande mascote do Mega Drive. Embora a Sega tenha tentado emplacar o Alex Kidd como o garoto propaganda a firma, foi só com o lançamento do primeiro Sonic, especificamente a versão do Mega, que a firma conseguiu um mascote que realmente viraria sinônimo da mesma como o Mario é para a Nintendo. Esta é outra novidade nada nova…
  9. Mega Drive vs. Super Nintendo era uma competição acirrada. Este ponto é facilmente lembrado por quem era da época, mas, pra quem não sabe, a briga pela liderança no mercado de consoles 16-bit soltou faísca (embora não tivesse tanto fanboiolismo como tem hoje em dia). A Sega sempre “puxava briga” com a Nintendo, nas propagandas de TV, com frases como “Genesis faz o que a Nintendo não”, utilizando o trocadilho em inglês “Genesis does what Nintendon’t”, além do supracitado Blast Peocessing. Aliás, os comerciais do Mega Drive eram bem maneiros e provocativos em geral. Abaixo, você poderá ver um destes comerciais da época;
  10. Menos censura. Muita gente sabe que, nos anos 80 e 90, pelo menos, as versões japonesas dos games eram menos censuradas que as ocidentais. Entretanto, as da Nintendo eram mais censuradas em quaisquer dos casos. O exemplo mais notável é o Mortal Kombat. Enquanto o port do game de luta da Midway do SNES tinha melhores gráficos e jogabilidade similar ao do original dos arcades, ela faltava o sangue e a maioria dos fatalities foram substituídos por frescuras. Já o Mortal do Mega Drive tinha como ter o sangue e o fatalities mais “violentos”, bastando ativar os Codes of Honour.

Genesis does what Nintendon’t!

É claro que existem várias outras curiosidades que os especialistas vão saber citar e dar mais detalhes, mas para o público comum, achamos esta lista simples, porém honesta. Também, o Facínora estava guardando esta matéria desde 2015 pra gente publicar aqui e, quando ele cisma que vai fazer uma coisa, pode até demorar, mas ele faz, mesmo que ninguém mais se importe.

Enfim. Você conhece alguma outra curiosidade bacana pra compartilhar com a gente? Se sim, deixa aí nos comentários.

Deixe um comentário

  • Assine a nossa newsletter!

  • Nos siga nas redes sociais!

  • Páginas

  • Áreas especiais

  • eXTReMe Tracker
    Copyright © 2001 - 2018 Gaming Room. Todos os Direitos Reservados - É expressamente proibida a reprodução total ou parcial deste site sem o consentimento dos autores.