Principais Atualizações

Varth: Operation Thunderstorm

25 de setembro de 2018
Varth: Operation Thunderstorm

Varth: Operation Thunderstorm, conhecido também apenas como Varth, é um shoot ’em up desenvolvido e lançado pela Capcom em junho de 1992 para os fliperamas japoneses (CPS-I). Em Varth, os jogadores pilotam caças de combate para enfrentar um supercomputador que adquiriu consciência e começou a exterminar a população de um planeta colonizado pelos humanos.

Curiosamente, o Varth só foi portado para outros sistemas 14 anos depois do seu lançamento original, sendo trazido também, em forma de coletâneas, pela Digital Eclipse Software para o Xbox (24 de novembro de 2006. “Capcom Classics Collection Vol. 2″), PlayStation 2 (24 de novembro de 2006, “Capcom Classics Collection Vol. 2“) e PSP (22 de março de 2006, “Capcom Classics Collection Remixed).

Enredo

Um desastre acontece em uma colônia humana num planeta chamado Varth. Toda a colônia é administrada por um supercomputador de 7ª geração que controla as operações de todas as máquinas no planeta. Infelizmente para os moradores de Varth, Delta-7 foi possuído pela entidade conhecida como DUO (Dimension Unbody Offender), a qual se acreditava ser um espírito maligno, mas sendo, na verdade, uma consciência temporal-espacial que surgiu espontaneamente dentro do supercomputador.

DUO chegou à conclusão de que a existência humana é inimiga do planeta e, portanto, colocou as defesas de Varth contra sua própria população. Oitenta por cento do planeta é destruído pelo evento, sendo este apenas o começo dos planos de limpeza de DUO. A dependência dos colonos ao supercomputador fez com que eles perdessem a capacidade de cuidar de si mesmos, ficando sem meios de se defender. A única esperança para a colônia reside nos pilotos de dois aviões equipados com computadores de 4ª geração que o DUO não pode controlar, e esses são controlados não por máquinas, mas por humanos:

  • Casber Rublan – Piloto classe B+ bastante extrovertido, sua sagacidade e estilo único são apreciados por seus amigos. Um pouco magro, Rublan não se encaixa no estereotipo de soldado. Casber geralmente usa a bandana da libertação em sua cabeça. Seu avião de combate é o Tanikura F7W Saber;
  • Felry Carnihum – Ex-instrutora de voo acrobático e filha de um piloto renomado, Felry tem voado toda a vida e pilotando seu próprio avião desde que era adolescente. Ela desconfiava muito do controle total que o homem estava dando às máquinas e sua desconfiança acabou sendo comprovada. Uma engenheira talentosa, Carnihum se juntou à equipe de recondicionamento para preparar os dois aviões. Ela não tem experiência de batalha, mas possui um estilo único de voar. Seu avião de combate é o Dakao/M-2451 Scimitar.

Vídeo

Acima, temos o Varth: Operation Thunderstorm sendo apresentado e comentado no Fliperama Nostálgico, um quadro sobre jogos de arcade do canal Defenestrando Jogos. É um trabalho muito informativo e honesto que, além de imagens do gameplay, traz curiosidades e outros dados que reunimos e usamos para montar este post.

Gameplay

O gameplay de Varth tem muitos elementos do clássico 1942 e de outros games da série 19XX. Trata-se de um shoot ’em up com rolagem horizontal e onde o objetivo dos jogadores é destruir as unidades inimigas, evitando ser atingidos e chegar ao final de cada uma das 30 fases deste jogo de tiro, sendo que ser  atingindo por um inimigo faz com que o jogador alvejado perca um avião.

A maior diferença entre Varth e outros jogos no gênero de seu tempo é a inclusão de itens denominados “Pods”. Quando um jogador recolhe um deles, um par de pods seguirá o jogador e complementará o a artilharia do avião com o seu próprio armamento. Além disso, os pods podem bloquear completamente a maioria das formas de ataques de inimigos, tornando o jogador quase invulnerável aos ataques de qualquer direção na qual os pods se encontram. Os jogadores podem escolher entre duas formações para os pods, fixas ou inteligentes. No modo fixo, ambos pods permanecem diretamente na frente do jogador, mas deixam os seus aviões vulneráveis pelos lados e atrás. Na posição inteligente, os pods permanecerão separados uns dos outras em um ângulo de 180 graus e se moverão de acordo com a direção do fogo inimigo. Se o fogo inimigo consegue deslizar entre os pods antes que eles possam reagir (algo muito comum nas fases avançadas), o jogador fica vulnerável e só tem a opção de desviar para não perder vida.

Varth possui três armas diferentes para o jogadores: um laser (com alta taxa de fogo sustentado, mas o menor alcance horizontal), uma metralhadora (relativamente poderosa e com um alcance horizontal tão grande quanto o tamanho da aeronave) e tiro multidirecional (alcance horizontal maior mas taxa de fogo menor). Além disso, estão disponíveis três tipos diferentes de armas para os pods: mísseis teleguiados (arma mais fraca, mas com esta vantagem útil), mísseis (mais perigosos do que os mísseis teleguiados, mas só podem avançar) e napalm (poderoso, mas com muito baixo alcance). Como os 19XX, Varth também possui bombas que permitem que os aviões realizem “mega crashes”, o qual, aqui, é determinado pela arma que está carregando. Lasers resultarão em um ataque de eletricidade que irá abranger toda a tela. A metralhadora disparará mísseis que se moverão de alvo a alvo. O tiro multidirecional disparará uma única e grande explosão que se move diretamente para a frente do jogador, soltando também uns raios menores ao chegar ao topo da tela.

O jogo também possui vários itens que podem ajudar o jogador de outras maneiras, como bônus para aumentar a pontuação, upgrades do poder do seu arsenal e bombas e itens que destruirão todos os inimigos na tela. Talvez o item mais útil seja o Yashichi, que atualiza instantaneamente o armamento de um jogador para seu nível mais alto.

Curiosidades

  • Varth: Operation Thunderstorm foi o 19º videogame feito para o sistema CPS-I;
  • Tem uma espécie de easter egg na quarta fase do Varth, onde o Ryu, da série Street Fighter, vai aparecer da grama e perto de umas tubulações para executar um Shoryuken. Se o Ryu continuar a ser alvejado por disparos dos jogadores até ele desaparecer, isto renderá uma grande quantidade de power-ups;
  • O personagem do player 1 de Side Arms Hyper Dyne aparece como um item que irá destruir todos os inimigos na tela, se recolhido;
  • O item Yashichi, assinado pela Capcom originalmente de Vulgus, faz uma aparição em Varth como um power-up que aumenta o tiro do avião para o seu nível máximo.

Considerações sobre a revelação do gameplay do Doom Eternal da QuakeCon 2018

24 de setembro de 2018
Considerações sobre a revelação do gameplay do Doom Eternal da QuakeCon 2018

Trouxemos nossas considerações sobre a revelação do gameplay do Doom Eternal da QuakeCon 2018 (QuakeCon 2018 Doom Eternal Gameplay Reveal) no décimo sexto vídeo da Gaming DooM, a nossa série de vídeos narrados a respeito de Doom.

Os comentários feitos pelo Facínora no vídeo foram feitos baseados no que foi discutido no nosso canal do Discord que, por fim, tem também a leitura de uma resenha mais completa feita por um dos participantes.

O Facínora já havia comentando as cenas de um teaser do Doom Eternal que eles lançaram anteriormente, mas o pessoal ficou querendo saber o que achamos do que foi revelado na QuakeCon 2018. Houve um consenso de que muitas coisas que foram apresentadas podem ser ruins como podem ser boas, mas parece que alterar o design de todas as armas não agradou a todos. Uma coisa que ficou sob controle foi a hype, com o pessoal decidido a esperar o Doom Eternal sair ou, pelo menos, mais informações sobre o jogo.

O Azrael Hensler fez um review mais completo que estou arquivando aqui, fazendo umas correções gramaticais e adaptações, mas o texto abaixo é de responsabilidade total dele, hehehe:

Resenha do Azrael Hensler

Primeiramente, a modelagem, a textura, a construção do cenário estão bonitos pacas, mas acho que vai exigir uma máquina nova pra rodar tudo no full. Pode rolar downgrade, se o caso de comprar algo como uma RTX 2080 não for verdade. Provavelmente, o gameplay revelado deve estar maquiado, pois é comum da Bethesda ter um delay na renderização das texturas que não vi hora nenhuma.

IA dos anos 90? pra um gameplay de hoje? Bom, não dá pra reclamar disso, que fez o Doom 2016 ser divertido e deve ser bom aqui também. É um desafio médio, mas, pra quem tá acostumado com coisas tipo o primeiro Doom rodando no DOS, vai ser um passeio no parque, pelo menos no modo normal.

Escalar paredes parece ser uma boa ideia. Mas se for pra ter isso podia ter em toda parte, e não só em determinados lugares. E isso elimina a necessidade da corrente da 12. A propósito, a ideia da lâmina no braço do Doomguy é maneira pra baralho, mas a corrente na Super Shotgun pra se pendurar nos demônios ou se puxar até eles é idiota. Funciona pro tipo de cenário que fizeram, combina com o level design, mas é idiota.

Vi um Zombieman e um Mancubus bem próximos dos das antigas e um demônio bem parecido com o Cyberdemon, só que menor. esse último parece ser bem fraco, mas ganha ponto positivo pelo visual. Tem algo bem parecido com um Hell Knight do Doom 3, o que é maneirão.

Não gostei do dash. Se fosse pra ter um, que tivesse mais alcance. Não vejo utilidade pra ele que não seja pra speedrun. O double jump também não me agradou. No original, o Doomguy nem pulava, mas agora a armadura parece mais pesada, as armas parecem maiores e ele não tem só um pulo normal, mas um SALTO DUPLO. Pra que?

Sistema de vidas. Ah, como eu sentia falta disso nos jogos de hoje em dia. E isso explica também a IA dos anos 90. É um jogo completamente arcade. E isso aumenta o senso de perigo de perder.

Da primeira vez que vi o lança-chamas, não tinha gostado, mas, ao rever o gameplay, mudei de ideia. Aquilo contra a Arachnotron foi um lançador de granada? O que parece ser uma bazuca futurista aparenta causar muito menos dano do que deveria e é menos divertido do que usar a 12.

As finalizações parecem se limitar a uma por inimigo, mas elas são uma delícia de assistir. Deve ser gratificante executar uma. Monstros explodindo em pedaços de carne com tiros, o melhor tipo de exagero possível.

E o resumo do gameplay na minha opinião… É um fan service completo com algumas novidades, mas a segunda parte do gameplay, mostrada em separado, não acrescenta em nada minha opinião. Só parecem ter colocado aquele trecho pra fazer o público ficar mais empolgado com uma parte mais frenética (e eu não tô ligando pro possível multiplayer).

Sobre a terceira parte do gameplay, TÁ, JÁ ENTENDI QUE VAI SER ARCADE, POHA. Não precisa colocar três trechos diferentes de vídeo pra eu entender que tem “diversidade de cenário” e que as armas estão muito boas. E, claro, pra dizer que os demônios com o design mais puxado pro Doom 2016 são mais fortes que os puxados pro design do Doom de 93.

Aliás. Não sei o que pensar sobre o sistema de mira de uma das armas. Parece limitar a movimentação e prezar por precisão demais… Em um jogo que se vende como frenético. E, por último, mas não menos importante… Espada. Temos uma fodendo espada no jogo. ISSO parece ser bom. Mas podiam ter mostrado a serra elétrica. Seria da hora.

Veja também

Clique Aqui Para Assistir Ao Vídeo

Defenestrando Warriors of Fate (1992)

23 de setembro de 2018
Defenestrando Warriors of Fate (1992)

Como é domingo, estamos trazendo um gameplay de um jogo antigo, o Warriors of Fate, para você ter algo decente para assistir hoje. O vídeo foi produzido e publicado pelo canal Defenestrando Jogos e, como sempre, é bem informativo e é a principal fonte de informações deste post.

Warriors of Fate, conhecido no Japão como Tenchi o Kurau 2: Sekiheki no Tatakai, é um jogo de luta estilo beat ’em up de rolagem lateral desenvolvido e lançado pela Capcom originalmente em outubro de 1992 para os fliperamas japoneses. Sequência do Dynasty Wars, este é o segundo jogo de arcade baseado no Tenchi wo Kurau, um mangá publicado pela Shueisha no Japão e criado por Moto Kikaku.

Rodando sobre uma atualização da placa CPS-1, a CPS Dash, o Warriors of Fate pecebeu ports para algumas plataformas, como o PlayStation (22 março de 1996), Saturn (6 de setembro de 1996) e FOMA i-αppli (1 de março de 2005).

História

A versão japonesa do jogo segue Liu Bei em Jingzhou do Romance dos Três Reinos, um romance baseado na história da China, e se passa no período dos Três Reinos quando Cao Cao decide invadir suas terras. Shu Han, liderado por Liu Bei, como no romance, era tudo de bom e justo, enquanto Wei, liderado pelo sempre suspeito e ligeiro Cao Cao, é o do mal. Os guerreiros de Liu Bei começam a lutar as forças de cao Cao na Batalha de Bowang, depois em Changban, quando daí finalmente juntam-se a Sun Quan para lutar na Batalha do Desfiladeiro Vermelho. Se os Cinco Tigres eliminarem Cao Cao, as forças de Wu e Shu juntam-se e se unem a Wei e reúnem a Han para reinar e restaurara a paz, se não, Cao Cao escapa e a terra continuará no tumulto até o eventual fim de Shu.

Na verão em inglês, a temática dos Três Reinos foi substituída, com a maioria dos nomes usados sendo de origem mongol. A história se passa em Shang-Lo, um país governado pelo assassinato e violência sob o punho de ferro do senhor das trevas Akkila-Orkhan. Tendo conduzido seu próprio país à ruína e ao desespero, Akkila agora lança seus olhos cobiçosos em seus países vizinhos. Quando sua sombra de opressão se espalha às nações vizinhas, um homem se levanta contra essa maré negra. Seu nome era Kuan-Ti e, com a ajuda dos cinco maiores guerreiros e a mente mais sábia em seu reino, ele lutaria para defender seu povo e terras.

Gameplay

Warriors of Fate é um beat ’em up com nove fases que pode ser jogado por até três pessoas ao mesmo tempo. Existem um grande número de inimigos que usam espadas, lanças, arcos e até bombas que chegam de ambos os lados da tela e, ao final de cada nível, tem um general Wei (Li Dian, Xiahou Dun, Xu Chu, Zhang Liao, Cao Ren, Xu Huang e Lu Bu) como chefão. Ao fim do jogo, tem também o Cao Cao, que vai tentar escapar.

Usando dois botões, ataque e salto, os personagens têm todos movimentos padrão típico dos jogos o gênero da Capcom. Outra coisa comum são a grande variedade de armas que podem ser recolhidas, assim como alimentos para restituir a energia que podem ser obtidos ao quebrar certos recipientes. O jogo também tem dois estágios de bônus que exigem apertar os botões rapidamente. Uma característica notável do Warriors of Fate é a capacidade de convocar um cavalo de guerra que aumenta os ataques aos personagens.

Curiosidades

  • Tenchi o Kurau 2: Sekiheki no Tatakai (天地を喰らう2 赤壁の戦い), o título japonês do Warriors of Fate, pode ser traduzido mais ou menos como “Devorando o Inferno e o Céu: A Batalha do Muro Vermelho” ou “Céu e Terra Recebendo Golpes II – Batalha da Muralha Vermelha”;
  • Esse é foi 23º jogo desenvolvido para o sistema CPS;
  • A placa CPS-2 já havia sido lançada quando o Warriors of Fate saiu, usando, como dito, uma versão atualizada da CPS-1, uma placa mais antiga. Este upgrade, a CPS Dash, garantiu ao jogo o recurso Q Sound, muito comum nos jogos de CPS-2 da Cacpom;
  • Warriors of Fate é conhecido na Ásia, fora do Japão, como Sangokushi II.

Diferenças entre a versão japonesa e norte-americana

Existem algumas coisas que foram alteradas ou retiradas entre a versão japonesa original e Warriors of Fate.

  • Não existe o mesmo nível de violência entre as versões;
  • No estágio 9, se pode escolher entre duas decisões que podem determinar quais dos três finais ao se obter;
  • Algumas armas foram generalizadas;
  • A demonstração de abertura e vários textos são diferentes, dando mais detalhes dos eventos que ocorreram no primeiro jogo;
  • O texto “Tekishou (nome do chefe) uchiitotarii” foi acompanhado com a voz no final de cada etapa, tipo o “comandante inimigo (nome do chefe) foi morto!”.

Fontes e saiba mais

Clique Aqui Para Assistir Ao Vídeo

Run for Souls

22 de setembro de 2018
Run for Souls

Run for Souls é um jogo em Flash de free running lançado pela Krabo Games onde você controla a Morte e tem que correr pelo Inferno a fim de recolher as almas perdidas (não aquelas chatas do Doom) para ganhar pontos, enquanto destrói ou desvia de plantas monstruosas.

Como quase todo free running, o Run for Souls é desafiador e viciante, mas tome cuidado, pois além das almas penadas, o Inferno está cheio perigos!

Controles

  • O mouse ataca.
  • Use a barra de espaço para saltar.
  • A tecla P pausa o game.
  • Já a tecla Z vai para o Inferno.

Clique Aqui Para Jogar

SynthDoom Mk2

21 de setembro de 2018
SynthDoom Mk2

SynthDoom Mk2 é um mod para Doom que implementa um jukebox composto inteiramente de músicas synthwave, as quais, pelo menos em tese, dão um ar mais retrô, estilo anos 80, à trilha sonora do jogo. Para ilustrar do que se trata, existem jogos como Hotline Miami e Far Cry: Blood Dragon que possuem estilo synthwave, não apenas no aspecto musical, mas também no gráfico.

As músicas são reproduzidas aleatoriamente e você pode pular de faixa durante os mapas de modo bastante prático ao pressionar uma tecla que pode ser configurada no Options, assim como uma tecla pra desligar a música também, se começar a encher o saco.

Além do jukebox, o SynthDoom Mk2 não apresenta nenhuma outra modificação, nem ao menos nas músicas de intermissão e título, e o seu código é o NowThatsWhatICallMidi, o mesmo usado no DemonSteele e que fiz uns hacks pra usar no Gambiarra.

Vídeo

O vídeo acima faz o showcase do SynthDoom Mk2 com outros WADs que carreguei aqui para deixar a partida mais animada: Flakes Doom, Gambiarra e o Combined Harms. Joguei também no The Corrupt Citadel, um megawad feito no Oblige que ficou até bem divertido.

Compatibilidade

Rodei o SynthDoom Mk2 aqui no GZDoom (1.8.2 e 3.5.1), Zandronum (2.0 e 3.0) e no ZDoom 2.8.1, com os IWADs do Doom II: Hell on Earth, The Ultimate Doom, Final Doom e do Freedoom. Com o GZDoom 3.5.1, funcionou até com o IWAD do Chex Quest.

Ele também deve ser compatível com qualquer mod que não tenha o seu próprio jukebox embutido.

Saiba mais

site ou autor do arquivo Doom Community tamanho do arquivo 125 MB licencaGrátis download link Download

Como lutar contra o Akuma no X-Men: Children of the Atom

21 de setembro de 2018
Como lutar contra o Akuma no X-Men: Children of the Atom

Temos aqui procedimentos de como lutar contra o Akuma no X-Men: Children of the Atom, descrevendo o necessário para poder enfrentar o personagem secreto deste grande fighting game da Capcom de 1994, em vídeo e texto.

Há um tempo, nós produzimos um vídeo que ensinava como jogar com o Akuma e seus golpes no X-Men: Children of the Atom, junto com o seu playthrough com este char secreto. Tal vídeo foi um dos maiores e mais trabalhados que fizemos até então. Entretanto, ele não está tão completo como queríamos. A razão disto é que, além de como lutar com o Akuma, faltou ensinar como lutar contra o Akuma.

É precisamente isto que esta publicação e o vídeo abaixo tentam ensinar:

No vídeo, além da gravação de uma luta da Psylocke, controlada por nós, contra o Akuma, controlado pela inteligência artificial (ou computador), descreve o necessário para poder enfrentá-lo no X-Men: CotA. Vamos fornecer tais informações aqui em texto também também, para facilitar:

Para lutar contra o Akuma, o jogador vai ter que

  1. Lutar no modo manual;
  2. Não usar nenhum continue;
  3. Não perder nenhum round;
  4. Você tem que usar o Hyper-X 6 vezes ou mais e ele tem que acertar todas as vezes. Não conta se o oponente bloquear, mesmo que ele perca o round;
  5. Acertar o primeiro golpe em cada round para ter o “First Attack”;
  6. Você tem que acertar o máximo de hits do Hyper-X pelo menos uma vez;
  7. Se você tiver feito tudo correto, o Akuma vai aparecer antes do Juggernaut, e irão lutar no estágio da Sala de Perigo (Danger Room).

Nós testamos na versão dos fliperamas. Não sabemos se funciona nas outras versões. Se você souber, por favor nos avise comentando aqui e/ou no vídeo no YouTube.

Veja mais

Dicas e manhas do Operation Wolf

20 de setembro de 2018
Dicas e manhas do Operation Wolf

Temos aqui algumas dicas e manhas do Operation Wolf, o shooting gallery/rail shooter da Taito de 1987 onde você é um soldado das forças especiais que tem que invadir o território inimigo e resgatar prisioneiros de guerra. O gameplay é similar ao do Rambo III do Master System.

A maioria destes macetes foram reunidos tendo em mente a versão de fliperama do Operation Wolf. Pode ser que funcionem para outras verões também, mas não podemos garantir isto no momento.

Ganhando munição, granadas e pontos extras

Cada fase remove 3 pontos de dano enquanto a vila remove 20. Se você estiver jogando num nível de dificuldade mais fácil, com muitos power drinks e for bom de mira, pode ser que termine com menos de três pontos na primeira fase (Communication Setup, ou Radar) ou menos de vinte no final da vila (Village). Se for o caso, deixe um helicóptero vivo. Quando ele voar pela tela, meta 9 balas neles para ganhar pontos e deixar ele só a 1 tiro de ser destruído. Estes inimigos apenas infligem 1 ponto de dano no jogador e demoram muito pra isto. Enquanto isto, power drinks, granadas e munição podem surgir para serem recolhidos e estocados antes que a fase acabe. Destrua o helicóptero quando você tiver vinte pontos de bônus na Village ou 3 nas outras.

Aproveitando melhor o bônus de saúde

Se você jogar a versão que permite selecionar a fase onde lutará, escolha a vila (Village) quando você tiver de 15 a 20 pontos de danos para aproveitar melhor o bônus de pontos de vida que a vila te dá, removendo 20 pontos. Também, não escolha o Ammo Dump (Powder Magazine), pois ele demanda mais munição do que garante, te inflige muito dano e os três helicópteros que vem como reforços para o round final não são nada comparados ao massacre que você vai encarar.

Evitando dor de cabeça na Fase 4

No Ammo Dump (ou Powder Magazine), tente atirar nas caras dos inimigos loiros grandões com metralhadoras para matá-los rapidamente, sem precisar de gastar muita bala e granadas com eles. Também, mantenha um fluxo de tiro no canto direito do morteiro atrás dos sacos de areia. Você vai acertar o inimigo antes dele usar o morteiro contra você, te distraindo e podendo te causar dano.

Otimizando granadas

Calcule a hora de atirar suas granadas para detonar mais de um veículo inimigo por vez. Quase nunca é inteligente usar uma granada em um único inimigo, visto que são bem escassas para usar indiscriminadamente.

Economizando munição no Concentration Camp

Para economizar munição na fase do campo de concentração (ih, até rimou), tente esperar até que os soldadinhos do final piscarem antes de você atirar neles. Algumas vezes, estes inimigos não piscam nem atiram e você não vai precisar de destruí-los, o que lhe poupará munição e tal.

Códigos de trapaça pro NES (Game Genie)

Os códigos abaixo são do Game Genie e só funcionam no port do Operation Wolf para o Nintendinho:

Código 	 	Efeito
AESSLZTL  	Sobreviva com 0 de saúde
AAVSIIPA  	Munição infinita
AAEIATPA  	Infinitas granadas
IEVUNSPA  	Continues infinitos
PESZIGAA  	Comece na missão 2
ZESZIGAA  	Comece na missão mission 3
LESZIGAA 	Comece na missão mission 4
GESZIGAA  	Comece na missão mission 5
IESZIGAA  	Comece na missão mission 6

Golpes, dicas e manhas do Warriors of Fate

18 de setembro de 2018
Golpes, dicas e manhas do Warriors of Fate

Esta publicação ensina os golpes e algumas dicas e manhas do Warriors of Fate, o beat ’em up da Capcom de 1992 que continua o Dynasty Wars (1989. Ambos os títulos se passam no Japão feudal, envolvendo samurais, batalhas a cavalo e coisas do gênero, além de uma boa dose de violência animada, mais ainda na versão japonesa.

As dicas variam entre macetes genéricos a descrever e listar os comandos dos golpes especiais. Elas funcionam na versão de arcade do Warriors of Fate, mas devem servir para as outras também. Na medida em que ficarmos sabendo de mais manhas deste jogo, atualizaremos aqui.

Lutando a pé

  • Cada personagem pode executar um movimento pela combinação: baixo, cima + ataque;
  • Pressione para baixo + salto para executar um ataque avançando pra frente contra os inimigos. Pode usar os direcionais inferiores também;
  • Você pode dar um agarrão diferente nos inimigos com baixo + ataque ou cima + ataque. Tem um maluco, o Kassar, por exemplo, que arranca sangue do inimigo mordendo;
  • Agarre o inimigo e pressione frente ou trás + salto e depois ataque para incrementar o golpe.

Lutando a cavalo

Durante o jogo, às vezes, você encontrará uma espécie de sino que irá invocar o cavalo para o jogador. Uma vez montado, poderá-se desferir grandes ataques ofensivos contra os inimigos, dando a cada personagem uma arma longa (menos para o Kadan).

Cada personagem pode realizar alguns movimentos especiais quando estiver montando o cavalo:

  • Ataque especial padrão (ataque + salto) – Aquele famoso que é bem eficiente mas consome energia se acertar;
  • Ataque com onda de energia (trás, frente + ataque) – Pode cortar ao meio alguns inimigos. Kadan lançará uma onda de fogo;
  • Corrida (frente + salto) – Se pressionar o botão de ataque, durante a corrida, executa-se um ataque de longo alcance (exceto com o Kadan);
  • Pressionar o botão de ataque repetidamente libera um golpe especial rápido também;
  • Corrida e Ataque – (pressione para qualquer um dos lados + duas vezes o botão de salto). Este movimento é semelhante ao ataque especial padrão, mas o jogador não perderá energia para executá-lo e é possível se mover enquanto o usa. Os inimigos podem ser atingidos mais de uma vez dessa maneira, embora alguns consigam bloquear esse ataque;
  • Espetar e arremessar: Segure para cima ou para baixo e pressione ataque. Assim que a arma alcançar o inimigo, pressione frente ou trás. Deve funcionar na distância correta;
  • Segure trás, solte pra frente + ataque para fazer um ataque frontal diferente;
  •  
  • Para descer do cavalo, basta pressionar baixo + ataque;
  • Para mudar o cavalo de direção, pressione trás + salto.

Chefões

Salvo engano, existem oito chefões no Warriors of Fate. Estes poderão também usar o cavalo e se beneficiar de seu uso como os protagonistas. Também, uma vez derrubados da montaria, deixam-na livre para que o jogador o recolha e o use.

Morte violenta do chefão

Se você vencer o chefe de fase com um movimento especial, ele será executado de uma maneira “brutal”

Na versão japonesa, você poderá decapitar o chefão com movimentos determinados, ao contrário da maioria das vezes, onde ele será apenas cortado ao meio.

Armas secretas

Existem várias armas secretas no Warriors of Fate que podem ser encontradas em certos pontos das fases:

Seikou Sword

Uma espada média com poder médio que pode ser encontrada na Fase 6: assim que você alcançar uma placa apontando para um cruzamento na estrada, vai aparecer o Sugisugi (Kakou-On) montado em um cavalo em uma das quatro posições. Mate-o antes que ele deixe a tela. É mais ou menos assim:

Shichisei Sword

Uma espada longa com lâmina de arco-íris que empurra o inimigo pra trás. É encontrada também na fase 6 ao alcançar o chefão. Durante a batalha, você vai ver Yestai (Zhao-Ming), um negão musculoso. mate-o logo e a arma vai aparecer aleatoriamente. Eu consegui fazer o danado aparecer uma vez:

Kai Club

Um porrete decorado com uma ponta arredondada que empurra o oponente pra trás encontrada na Fase 8, quando você entra no palácio e, bem antes do solo colapsar, você vai lutar com um monte de bombado. Mate o negão e ele vai dropar o Kai Club:

Hiryu Sword

Uma espada longa que empurra o inimigo pra trás achada também na Fase 8. Quando você chegar no segundo pilar da sala do chefão, vá pra direita dele e acerte o canto da tela. Vai cair um baú de tesouro do céu. Quebre-o e você vai achar a Hiryu Sword:

Kusanagi Sword

Uma espada longa que fica em chamas quando em movimento, empurra o oponente pra trás e é a mais forte do jogo. Você pode achá-la na Fase 9, no início das cercas de madeira: move-se ao canto superior esquerdo da tela, acerte a sua esquerda e um baú de tesouro contendo a espada Kusanagi vai cair:

União Europeia contra a Internet

17 de setembro de 2018
União Europeia contra a Internet

A União Européia ataca liberdade de expressão e ameaça a própria Internet com a aprovação de dois projetos de leis que, na prática, deixa impraticável até mesmo a criação de memes, mas não apenas deles, na rede mundial de computadores.

O Facínora trouxe esta notícia na 35ª edição da nossa série de vídeos jornalísticos e comenta a mais nova maluquice da União Europeia que foi apresentada na fanpage da Amea Network no Facebook:

Para deixar o vídeo mais animado, teve um gameplay de Doom com os mods Aracnocide Weapons Pack, Combined Harms e o Vanilla Chex Quest 1 & 2 in ZDoom carregados. O Facínora comentou o texto original e fez algumas considerações a respeito do assunto, o qual é deveras temerário.

Vamos arquivar aqui a notícia trazida no post original, datado de 12 de setembro de 2018, pois não dá pra confiar no Facebook que costuma apagar publicações ou páginas arbitrariamente:

A União Europeia acabou de dar uma porrada na liberdade de expressão.

“Hoje, foram aprovados os projetos de lei conhecidos como Artigo 11 e Artigo 13. O que são essas leis, você pergunta? Basicamente, atos de policiamento da internet, sob a alegação de ‘proteção de copyright’.

O Artigo 11 propõe uma cobrança de taxas para a postagem de links na internet. Sabe quando você lê um post onde o autor colocou links como fontes para todas as afirmações que fez ao longo do texto? Pois, de acordo, com o Artigo 11, o escritor teria de pagar por todos os links que adicionou ao seu trabalho.

O Artigo 13, por sua vez, exige a criação de um filtro (controlado por inteligência artificial) que proteja trabalho protegido por copyright. Ou seja, se você quiser escrever uma crítica de Star Wars e citar ‘que a Força esteja com você’, seu texto pode ser derrubado por ‘pirataria’.

Parece absurdo… E é.

Fora que os mecanismos colocados em prática por tais leis podem ser facilmente usados para derrubar qualquer canal pequeno de notícias que precise citar fontes maiores como forma de adquirir credibilidade, além de poderem ser utilizados como forma de censurar discursos que desagradem as partes interessadas na aprovação dessas leis.

Há aqueles na internet (como o canal The Quartering, no YouTube) que acreditam que isso nada mais é do que uma tentativa desesperada de salvar a velha mídia: televisão, jornais etc… Formas de comunicação que se recusam a evoluir e estão sendo substituídos a passos largos pela internet. Impérios midiáticos cujos chefões sempre tiveram grande proximidade com figurões do governo. Sinceramente, não sei se é verdade, mas não me espantaria se fosse [5].

‘E daí? Eu moro no Brasil. Isso não me afeta. HUE!’

Afeta sim, calango. Ou você acha que essa decisão não vai enviar ondas de choque pelo mundo e influenciar outros governos a criarem leis parecidas?

Mas resta uma esperança: a União Europeia aprovou os artigos 11 e 13, mas os dois ainda não foram votados para serem oficialmente transformados em leis. Isso acontecerá na primavera (que por lá, começa em março), e, se os europeus fizerem bastante barulho, ambas as leis podem ser enterradas antes que façam algum mal.

Quanto a nós, podemos levar esta informação adiante. Se estas leis passarem e fizerem escola, a liberdade de expressão de TODOS que usam a internet estará seriamente ameaçada. Estejamos atentos para o caso de algum espertinho tentar passar algo assim no Brasil.”

Pra finalizar e resumir: pra quem mora na Europa, vai ficar inviável produzir conteúdo (não apenas memes), e quem mora fora vai perder tal conteúdo. Além disto, nada impede desta loucura vir pra cá também, ainda mais com a tendência estatista da população que oferece pouca resistência aos delírios totalitários dos políticos.

Lembrando também que mesmo que estas leis sejam derrubadas, certamente, os burocratas da UE podem vir com alguma lei menos esdrúxula, mas ainda esdrúxula, pra substituir estes artigos de manja rola. Aliás, um truque velho na política pra fazer o gado aceitar alguma medica absurda é apresentar uma mais absurda primeiro e, depois da rejeição inicial, propor uma alternativa que seria a original, a qual, agora, parece mais civilizada. Isto aumenta enormemente as chances de esta ser aceita, pois o come a resenha de político feito capim do mesmo jeito.

Fontes e referências

  1. Post original da Amea Network – No Facemerda.
  2. Aracnocide Weapons Pack – Pacote de armas do Aracnocide. Muito bom.
  3. Combined Harms – O pacote de monstros do Combined Arms.
  4. Vanilla Chex Quest 1 & 2 in ZDoom – Um mod que traz o Chex Quest vanilla pro ZDoom que está ganhando um patch para corrigir erros e ampliar sua compatibilidade.
  5. A ameaça iminente da regulação do videogame – Como podemos ver, é verdade sim.
  6. EU Approves Meme and Copyright Article 11 and 13 Laws, Final Vote “Probably in the Spring” – Link citado no post original.
  7. DIRECTIVE OF THE EUROPEAN PARLIAMENT AND OF THE COUNCIL on copyright in the Digital Single Market – Outro link citado no post original.
  8. UE endurece o jogo com empresas de internet – Artigo citado no vídeo que mostra como o bloco europeu está atacando a liberdade de expressão em outro fronte também.
  9. MEMES WILL GET BANNED! – Vídeo do PewDiePie a respeito do assunto citado pelo Facínora.
  10. CAN WE COPYSTRIKE THE EU? – Outro vídeo do PewDiePie a respeito do assunto também citado pelo Facínora.

Defenestrando Dragon Spirit (1987)

16 de setembro de 2018
Defenestrando Dragon Spirit (1987)

Como é domingo, vou trazer mais um gameplay de jogo antigo para você ter o que assistir neste dia que só passa tosqueira na TV: o smhup Dragon Spirit sendo comentado e apresentado em mais um quadro do Fliperama Nostálgico, do canal Defenestrando Jogos, que estou adicionando aqui pra nós.

Além de trazer imagens do jogo em ação, o vídeo também partilha várias informações e curiosidades sobre este título, dados que usamos como a principal fonte para esta publicação.

Dragon Spirit (ドラゴンスピリット) é um jogo de tiro shoot ’em up de rolagem vertical desenvolvido e lançado pela Namco em junho de 1987, originalmente para os fliperamas japoneses, rodando no Namco System 1 hardware. Em Dragon Spirit, o jogador controla um dragão que pode ser fortalecido ao recolher power-ups e que enfrenta uma grande quantidade de inimigos em um mundo de fantasia, cheio de criaturas míticas etc.

O título foi portado posteriormente para o Amstrad CPC, Amiga, Commodore 64, MS-DOS, Atari ST, X68000, PC Engine/TurboGrafx-16, ZX Spectrum, Windows, NES/Famicom, PlayStation, PlayStation 2, XBox, GameCube, PlayStation 3, XBox 360 e Wii, sendo lançado como parte de coletâneas em várias destas plataformas. Não sei dizer se foi um grande sucesso de vendas ou crítica, mas pelo tanto de ports que recebeu e pelo fato de ter justificado uma sequência em 1990, o Dragon Saber, creio que posso dizer que o Dragon Spirit teve um desempenho pelo menos bom no mercado.

Enredo

A muito tempo atrás, no reino de Mitgult, o demônio serpente Zawell escapa de seu cativeiro de mil anos e sequestra a Princesa Alicia. Um jovem e astuto soldado chamado Amul é escolhido para resgatá-la e destruir Zawell. Ele pede aos deuses a força e a coragem necessária e aponta sua espada para o alto em direção ao céu, quando, de repente, se transforma em um poderoso dragão azul que cospe fogo, lança um ataque explosivo ao solo e pode ficar ainda mais forte se localizar e obter poderes extras ao longo do caminho. O demônio instruiu nove das bestas mais poderosas para impedir Amul em sua missão, mas este soldado não pode ser subestimado, pois ele tem o espírito de um dragão!

Gameplay

Amul sempre voa em frente e pode movimentar-se nas 8 direções, podendo atacar os adversários aéreos ao cuspir chamas e lançar uma espécie de bomba para acertar os inimigos ao solo. Amul tem um sprite maior do que a maioria dos inimigos e por isso é fácil de ser alvejado, e dois tiros que ele leva lhe fazem perder uma vida (três, em alguns port). Os power-ups que dão ao jogador cabeças extras podem conferir-lhe o dobro ou o triplo do poder de fogo, mas também dão a ele o dobro ou o triplo do perfil de alvo, o que pode deixar difícil de desviar dos tiros inimigos, especialmente nas fases finais. Dragon Spirit não é um jogo nada fácil.

Curiosidades

  • Se você terminar o jogo, nos créditos aparecerá uma lista de jogos da Namco publicados até então, juntamente com suas datas de lançamento;
  • A Victor Entertainment lançou um álbum com a trilha sonora deste jogo em uma edição limitada, a Namco Video Game Graffiti Vol.2 – VDR- 5222, em 21 de outubro de 1987.

Dicas e trapaças

  • Seleção de fases: Insira uma ficha, segure o joystick (ou o direcional) para baixo e pressione Start para poder escolher a fase inicial. Atenção: esta manha só funciona na versão nova do Dragon Spirit.

Clique Aqui Para Assistir Ao Vídeo

  • Assine a nossa newsletter!

  • Nos siga nas redes sociais!

  • Páginas

  • Áreas especiais

  • Categorias

  • Parceiros

  • eXTReMe Tracker
    Copyright © 2001 - 2018 Gaming Room. Todos os Direitos Reservados - É expressamente proibida a reprodução total ou parcial deste site sem o consentimento dos autores.