Street Fighter

27 de maio de 2019

Street Fighter (ストリートファイター) é um jogo de luta desenvolvido e lançado pela Capcom em agosto de 1987 para os fliperamas, sendo o primeiro título deste gênero da firma e o que inaugurou a icônica e clássica série de mesmo nome.

Embora não tenha obtido nem de longe o mesmo desempenho e popularidade do seu sucessor, Street Fighter II: The World Warrior, Street Fighter lançou muitas das bases do gênero que são usadas até hoje, como o sistema de rounds, o uso de comandos para técnicas especiais e até os controles enormes com seis botões que assustavam muita gente na época.

Falando nisto, ainda cheguei a ver uma máquina destas num fliperama em Guarapari (ES), já na versão com 6 botões e com um viciado que jogava e zerava o game repetidas vezes enquanto a gente olhava. Quando voltei pra Belo Horizonte, já tinha chegado a SF2 em todos os fliperamas que se prezavam e acho que nunca mais vi o original ao vivo.

Muitos reclamam da jogabilidade do Street Fighter, mas alguns dizem que é coisa de quem o experimenta no emulador. De qualquer maneira, a originalidade, o tema, os recursos e até os gabinetes usados impressionaram muita gente na época e, como acabou sendo um grande sucesso de mercado e de crítica, justificou-se ports para vários sistemas. Além disto, o Street Fighter deixou um legado que compreende não apenas os vários jogos da série que continuam a ser lançados até recentemente, mas também inúmeros spin offs, relançamentos, clones e hacks.

Vídeo

Acima, temos o gameplay do primeiro da franquia da Capcom feito pelo canal Defenestrando Jogos. O vídeo também traz também inúmeras curiosidades e informações sobre o mesmo, dados quais usamos para construir esta publicação.

Enredo

Os mestres nas artes marciais, rivais e amigos, Ryu e Ken entram em um torneio clandestino de lutas de rua internacional para enfrentar dez dos maiores lutadores de todo o mundo, vindos de cinco nações diferentes.

Gameplay

Street Fighter pode ser jogado sozinho ou contra outra pessoa, uma controlando o Ryu (Player 1) e o outra o Ken (Player 2), sendo estes exatamente iguais, exceto pelo visual ou cores. Cada partida consiste na melhor de três rounds que são vencidos quando lutador derruba o outro em menos de 30 segundos ou permanece com mais energia ao fim deste período. Se o terceiro round terminar empatado, o oponente controlado pelo computador vencerá ou ambos humanos perderão. Todos os lutadores controlados pelo computador, sendo os últimos Adon e o seu mestre Sagat (que não tinha ainda a enorme cicatriz em seu peito), devem ser derrotados para zerar o Street Fighter. Caso o jogador perca uma batalha, pode-se usar continue para recomeçar no oponente que o derrotou.

No início da partida, o jogador pode escolher o país onde a primeira partida será realizada entre Japão e EUA, e, dependendo da configuração, China ou Inglaterra. Ele então irá lutar contra dois lutadores do país escolhido antes de prosseguir para o próximo. Além das batalhas, há também estágios de bônus, onde pontos adicionais podem ser conquistados, bem inovadores pra época: um é similar à demonstrações de Taekwondo e outro consiste em quebrar tábuas parecido com a fase de bônus do primeiro Mortal Kombat.

Os lutadores podem mover-se na horizontal, saltar, agachar-se, defender-se contra os ataques de um oponente e atacar com golpes normais ou especiais, podendo estes ser executados através de combinações do direcional e dos botões de ataques. Estas técnicas são o Hakoken, Shoryuken e o Tatsumaki Senpu Kyaku. Algo a se notar, de acordo com o vídeo acima, é que os especiais são melhor executados segurando primeiro o botão de ataque e depois executando o movimento no direcional.

Curiosidades

  • No início, a maquina do Street Fighter possuía duas versões. Uma aonde se tinham apenas dois botões, um de soco e outro de chute que, dependendo da pressão exercida sobre eles, a força do golpe mudava. Posteriormente, isto foi alterada para a versão mais parecida com os jogos atuais, com 6 botões, sendo 3 de soco e 3 de chutes, todos na ordem fraco, médio e forte;
  • Ryu, Ken e Sagat foram os únicos personagens que retornam imediatamente, no Street Fighter II – The World Warrior. Birdie e Adon, mais tarde, retornam em Street Fighter Alpha – Warriors’ Dreams, Gen em Street Fighter Alpha 2 e Eagle em Capcom Vs. SNK 2 – Mark of the Millennium 2001;
  • Ambos Mike e Balrog (M. Bison no Japão) são boxeadores negros americanos inspirados no Mike Tyson, inclusive no nome, mas são personagens distintos;
  • Ryu e Sagat foram baseados em uma antiga serie de mangás chamado Karate Baka Ichidai, principalmente nos personagens Yoshiji Soeno e Reiba, o Senhor da Escuridão, um lutador de Muay Thai;
  • No estágio da Inglaterra (Birdie), um cartaz escrito faz uma referência a banda de rock The Velvet Underground. Isto é claramente visível ao lado de um outro cartaz, o de Ian Dury and The Blockheads, uma banda de pub-rock britânica que se separou em 1982, mas reuniu em 1987 para uma turnê no Japão, dois meses antes do lançamento do Street Fighter. Um terceiro cartaz anuncia o Ristorante Donnaloia, um restaurante italiano caro que ficava na cidade de Kobe que ainda existe até hoje. Também nesta fase, o nome “Bill Cravens”, então vice-presidente de vendas e marketing da Capcom americana, também pode ser visto;
  • A tela de título do Street Fighter tem vários jogos da Capcom listadas na parede de tijolos: Avengers, Commando, Legendary Wings, Section Z e Trojan;
  • Um gabinete de Street Fighter pode ser visto no filme Juice, uma bicheira de 1992 estrelada pelo Omar Epps e o falecido Tupac Shakur;
  • A versão japonesa do game tem diferentes palavras faladas por Ryu e Ken durante os seus movimentos especiais. Na japonesa, Ryu e Ken gritam “Hadoken”, “Shoryuken” e “Tatsumaki Senpu Kyaku” enquanto gritam “Hell Fire”, “Dragon Punch” e “Hurricane” em todas as outras versões;
  • Tem gente que jura de pé junto que o Street Fighter tem grande qualidade, mas o pessoal acha que é ruim por causa que nunca conseguiram emular o jogo decentemente até hoje, o que inclui não apenas a jogabilidade, mas também sua trilha sonora [6];
  • Este foi o primeiro jogo a usar o conceito de golpes especiais, e, ao contrário de suas sequências, os comandos específicos para estes movimentos não foram dados nas instruções da versão de fliperama, a fim de incentivar o jogador a descobrir essas técnicas por conta própria.

Ports

Em 1988, o Street Fighter foi portado para o PC Engine/TurboGrafx CD com o nome de Fighting Street, ano quando também foi lançado pela U.S. Gold para os seguintes computadores pessoais: Commodore 64, ZX Spectrum, Amstrad CPC, Amiga e Atari ST.

O MS-DOS (1988), Windows (2003, Capcom Arcade Hits Vol. 1) e Wii (2009) também ganharam versões, enquanto o jogo de luta saiu como parte da coletânea Capcom Arcade Hits Vol. 2 para o XBox, PlayStation 2 e Sony PSP em meados da década passada (2006 e 2007).

O Street Fighter foi relançado recentemente na coletânea de 30 anos da série [3], a Street Fighter 30th Anniversary Collection.

Screenshots

As screenshots acima foram tiradas da versão de arcade do Street Fighter e foram ampliadas. A resolução original é 384×224 pixels, raster (horizontal), 1024 cores na tela e paleta de 4096 cores.

Série e legado

Como já dito, o Street Fighter foi extremamente seminal, inaugurando uma enorme franquia de sucesso, não apenas uma das mais rentáveis como das mais antigas de todos os tempos. Só na série principal temos:

Exibir conteúdo

Existem também spin offs como Street Fighter 2010: The Final Fight (1990), Super Puzzle Fighter II Turbo (1996) e o Super Gem Fighter Mini Mix (1997), além de, claro, centenas hacks piratas para diversos sistemas, como o Street Fighter II: Champion Edition (Hack M7) ou a Koryu.

E isto desconsiderando as franquias concorrentes que o sucesso que Street Fighter inspirou, como King of Fighters, Art of Fighting e, é claro, Mortal Kombat, além da miríade de clones de menor ou maior sucesso.

Veja também

  1. Street Fighter One – Um belo remake do Street Fighter original que corrige a principal deficiência deste jogo, pelo menos ao ser emulado no PC, que é a jogabilidade, além de aprimorá-la.
  2. Final Fight online – Jogo em Flash que mistura vários outros games da Capcom como Cadillacs and Dinosaurs, Captain Commando e Street Fighter.
  3. Coletânea de 30 anos do Street Fighter – Para comemorar os 30 anos do Street Fighter, a Capcom anunciou uma nova coletânea da franquia que contém 12 games, inclusive o título de 1987, em apenas um único pacote.
  4. Gameplay completo do Street Fighter 1 – O gameplay completo do primeiro Street Fighter.
  5. A história do Street Fighter – Esta é uma série do Velberan que conta a história da franquia dos jogos de luta mais famosa do mundo.
  6. STREET FIGHTER 1 (“REAL” ARCADE FULL SOUNDTRACK) – O canal Zeusdaz – The Unemulated Retro Game Channel afirma que o Street Fighter nunca foi emulado decentemente. Além dos controles, que ele alega que não são ruins na máquina original, nem a trilha sonora ficou de modo satisfatório. Ele gravou a música do jogo diretamente do fliperama (sem emulador) e disponibilizou pra gente dar uma fragada.

Deixe um comentário

  • Inscreva-se na nossa newsletter!

  • Nos siga nas redes sociais!

  • Páginas

  • Áreas especiais

  • eXTReMe Tracker
    Copyright © 2001 - 2019 Gaming Room - Powered by Facínora!