Principais Atualizações

Defenestrando Double Dragon II: The Revenge (1988)

26 de agosto de 2018
Defenestrando Double Dragon II: The Revenge (1988)

Hoje, temos aqui um vídeo com o gameplay do Double Dragon II: The Revenge detonado e comentado em mais um episódio do Fliperama Nostálgico, do canal Defenestrando Jogos. O vídeo, além de mostrar o jogo e comentá-lo, compartilha inúmeras informações a seu respeito e ainda é um playthrough dele, pois acabou sendo zerado. Usamos estes dados como fonte desta publicação.

Double Dragon II: The Revenge (双截龍 (ダブルドラゴン)II ザ・リベンジ) é um jogo de luta estilo beat ’em up desenvolvido lançado originalmente para os fliperamas pela Technōs Japan em dezembro de 1988. É a primeira sequência do clássico Double Dragon e segue Billy e Jimmy Lee em uma missão para vingarem da morte de Marian nas mãos do líder da gangue Black Warriors, Willy.

O Double Dragon II era para ser um kit para o Double Dragon original, mas acabou evoluindo em um jogo standalone devido a um aumento na memória, resultando nos desenvolvedores reutilizando recursos para ambos os jogos. O beat ’em up acabou sendo portado para diversas outras plataformas, como o NES/Famicom (1989), Mega Drive (1991), PC Engine (1993), Atari ST (1989), Amstrad CPC (1989), ZX Spectrum (1989), Commodore Amiga (1989), Commodore C64 (1989), MS-DOS 1989, Commodore Amiga (1992) e pra um daqueles jogos portáteis de LCD da Tiger Electronics.

Aqui em casa, meus irmãos e eu jogávamos bastante era a versão de MS-DOS do Double Dragon II. Não era das melhores, mas quebrava o galho bastante na falta de uma melhor. Pela nostalgia, é um dos top beat ’em up da Gaming Room.

Enredo

Depois de sua derrota no final do Double Dragon original, Willy o líder dos Black Warriors, assassina Marion em retaliação contra Billy e Jimmy Lee, deixando os irmãos com a tarefa de vingar a morte de sua amiga.

Gameplay

Double Dragon II é praticamente uma versão melhorada do original, mas com um sistema de ataque semelhante ao Renegade, outro beat ’em up da Technōs Japan de 1986 que já temos uma publicação bem completa neste site. Os botões de soco e chute foram substituídos por botões de ataques baseados no direcional: um botão ataca pra frente dando socos e outro pra trás com chutes. Muitos dos ataques e combos do primeiro Double Dragon foram mantidos, bem como novas técnicas, incluindo o Hurricane Kick. Entretanto, não tem a cabeçada.

Muitos dos inimigos e armas são versões redesenhadas dos itens originais também. Há algumas novas armadilhas, como um trator no meio da Missão 3 e todas as sequências de transição entre estágios são agora feitos com o personagem entrando no próximo através de um elevador, o que torna impossível levar uma arma para a próxima área.

Como no primeiro game, a versão de fliperama do Double Dragon II é dividida em quatro missões: um heliporto, um depósito de madeira, uma fazenda e o novo esconderijo do chefe. Cada uma delas tem seu próprio personagem chefe com seu próprio estilo. Depois de derrotar Willy novamente na quarta missão, o jogador enfrentará um doppelgänger sombrio do seu próprio personagem na batalha final do jogo. Se dois jogadores chegarem ao fim juntos, ambos terão que enfrentar seu próprio clone.

Curiosidades

  • Double Dragon II foi licenciado pela Romstar para distribuição nos EUA em janeiro de 1989;
  • O grito ouvido quando uma moeda é inserida vem de um inimigo no jogo chamado Chin Taimei, o chefe da missão 3;
  • Billy e Jimmy trocaram seus trajes azul e vermelho originais para azul escuro e prateado, respectivamente. Eles aparecem no final do jogo vestindo suas cores originais. Marian usa um vestido amarelo no jogo e seu sprite é ligeiramente redesenhado a partir do jogo original;
  • Da mesma forma que Double Dragon homenageou o jogo Road Blaster, Double Dragon II apresenta uma homenagem semelhante ao Cobra Command (ou Thunder Storm, no Japão), o qual foi o primeiro jogo do Yoshihisa Kishimoto. O helicóptero dentro da garagem no início do jogo é o mesmo helicóptero deste game;
  • Double Dragon II começou seu desenvolvimento como uma atualização do chip do primeiro jogo. Originalmente, apenas os estágios iam ser mudados, mas houve um incentivo para adicionar mais recursos, como novos ataques e inimigos, o que exigiu o desenvolvimento de um novo hardware para o jogo;
  • A Technos refez o final do jogo na versão NES. Depois que o jogador derrota sua sombra, são levados para uma fase final onde enfrentam um novo chefe final, referido no jogo simplesmente como o “Misterioso Guerreiro”. Depois que o jogador o derrota, o Guerreiro dá o seu discurso e Billy depois encontra Marian que retornou à vida;
  • A versão de PC Engine apresenta esse final, mas apenas para quem completar o jogo na dificuldade hard.

Série

Double Dragon II: The Revenge é, como você poderia imaginar, o segundo jogo da série Double Dragon:

  1. Double Dragon (1987);
  2. Double Dragon II – The Revenge (1988);
  3. Double Dragon 3 – The Rosetta Stone (1990);
  4. Super Double Dragon (1992);
  5. Battletoads and Double Dragon – The Ultimate Team (1993);
  6. Double Dragon V – The Shadow Falls (1994);
  7. Double Dragon (1995);
  8. Double Dragon Neon (2012).

Sobre o download

Temos disponível para download o Double Dragon Trilogy, uma compilação do Double Dragon, Double Dragon 2: The Revenge e do Double Dragon 3: The Rosetta Stone, feita pela DotEmu e lançada no GOG. Ele tem suporte para vários idiomas (incluindo Português Brasileiro), é compatível com Windows e inclui dois posters do game de brinde.

Não é de graça, mas custa apenas cerca de três dólares, você pode usar cartão de crédito (inclusive nacional) ou boleto bancário para pagar, e o serviço é 100% confiável.

Clique Aqui Para Assistir Ao Vídeo

site ou autor do arquivo Defenestrando Jogos tamanho do arquivo 111,7 MB licencaUS$ 3,77 sistemas operacionais compativeisWindows Vista/7/8/10 download link Download

Crazy Hangover 2

25 de agosto de 2018
Crazy Hangover 2

Crazy Hangover 2 é um jogo em Flash onde o seu objetivo é simples: encontre o seu uniforme e vá trabalhar… Mas o que acontece é ridiculamente um desafio, ainda mais com a ressaca danada que você está.

O primeiro Crazy Hangover já era ridiculamente engraçado, mas esta sequência está mais louca do que nunca! Este jogo point and click vai te deixar rindo e tentando adivinhar qual é o próximo passo.

Além disso, você pode jogar também o Crazy Hangover 3, o terceiro episódio desta série!

Clique Aqui Para Jogar

Tenebrae

25 de agosto de 2018
Tenebrae

Tenebrae é um mod de terror para Doom II criado pelo Pedro VC que traz, pra este jogo de tiro em primeira pessoa, mapas sombrios inspirados em obras de cineastas consagrados do gênero, como Dario Argento e Lucio Fulci.

O PWAD também apresenta modificações nos monstros e em seus comportamentos, novas texturas, telas, sprites, efeitos sonoros, música de fundo e outros recursos que foram tirados de várias fontes, como Blood, Duke Nukem 3D, Shadow Warrior, Realm667, Aeons of Death, Psychophobia e PSX Doom, tudo combinado em uma atmosfera criada para ser inquietante e horripilante. Algumas armas também receberam ligeiras modificações em seus funcionamentos.

A propósito, existe um filme de Dario Argento chamado Tenebrae (ou Tenebre) de 1982 [2]. Ele conta com John Saxon no elenco, aquele cara do Enter the Dragon (o icônico Operação Dragão) que eu achava que era o James Bond quando eu era pequeno, por alguma razão.

Vídeo

O vídeo acima foi jogado pelo RiboZurai. Fiz a resenha baseado no que vi e nas impressões dele a respeito do Tenebrae.

Enredo

Você é um fuzileiro espacial aposentado que vive em uma cabana isolada em uma floresta. Certo dia, você escuta rumores sobre demônios surgindo nas redondezas, enquanto pessoas desaparecem misteriosamente pela vizinhança, e decide investigar uma fortaleza que existe nas proximidades, local que dizem ser a fonte da infestação.

Pedro VC

Screenshots

Review curto

Dá pra perceber que os mapas são bastante escuros, como quase todo mod de terror que tem por aí. Eu não sou fã disto, mas tem gente que agrada. Gostei das texturas e das decorações usadas. Parecem coisa do Blood e de outros FPS da 3D Realms mesmo, geralmente recursos de ótima qualidade.

Uma coisa que não gostamos foi que os monstros não fazem barulho quando te veem. Entendo que isto seria pra aumentar a tensão e dar mais jumpscare, porém isto pode te matar de bobeira, tipo você passa por uma porta e pronto, acabou. Isto dá preguiça de jogar.

O Tenebrae tem cinco mapas jogáveis e, se todos forem no estilo do jogado no vídeo acima, o “Asilo dos Miseráveis”, dá para afirmar que têm designs bastante decentes. Só acho que há questões referentes ao gameplay, especialmente no que diz respeito aos monstros, que poderiam ser refinadas. Lembrando que esta é uma versão beta de 2016, ou seja, de teste. Não encontrei muito mais dados a respeito do PWAD, levando a crer que não foi mais atualizado desde então. De qualquer maneira, é perfeitamente jogável e interessante para quem gosta destas fases escuras, além de poder ser usado como base para outros trabalhos, daí algum modder pode pegar e terminar ou fazer um fork do Tenebrae.

Compatibilidade

O mod foi testado com o GZDoom 1.8.09 pelo autor e no GZDoom 3.6.0 pelo RiboZurai e precisa do IWAD do Doom II: Hell on Earth ou um do Final Doom. A phase 2 do Freedoom deve servir também. Não buga o jogo, mas não testei a fundo pra ter certeza de que não fica com gráficos estranhos, sprites fora do lugar etc.

Vídeo

  1. Tenebrae no Doomworld – Tópico do mod feito pelo próprio autor, com mais informações e links alternativos para download.
  2. Resenha do filme Tenebrae – Resenha que fiz lá pro Bolonha Club do filme de onde o Pedro VC tirou o nome para batizar seu mod.
  3. Mod recomendado pelo RiboZurai.
tamanho do arquivo 7,39 MB licencaGrátis download link Download

Absolute Mayhem

24 de agosto de 2018
Absolute Mayhem

Absolute Mayhem é a seqüência para o shooter 3D em Flash Total Mayhem. O jogo, que foi desenvolvido pelos brasileiros do Terror na Favela, vem com 10 mapas que exigem muita habilidade, lógica e coragem para servem vencidos. Há também mais de 50 segredos escondidos nas masmorras do jogo esperando para serem encontrados!

Absolute Mayhem é um jogo de tiro em terceira pessoa com gráficos e ambientação muito parecidos com Quake que traz de volta a jogabilidade clássica de jogos tipo Tomb Raider ou MDK misturada com uma aventura que promete ser emocionante, tecnologia inovadora (pra época em que foi criado) e apresentação artística.

Controles

  • WASD ou Setinhas: Movimentar
  • Barra de Espaço ou CTRL: Atirar
  • SHIFT: Saltar

Clique Aqui Para Jogar

Adventures of Salvo Jettison [Ed the Bat]

23 de agosto de 2018
Adventures of Salvo Jettison [Ed the Bat]

Esta é a versão de Ed the Bat do Adventures of Salvo Jettison que mantém seu sistema de carga e arsenal, mas corrige bugs, torna-o compatível com multiplayer e traz alguns aprimoramentos.

Para quem não conhece o Adventures of Salvo Jettison, or “The Quest” (for Weight Watching), trata-se de um mod para Doom de Richard Smith Long onde as armas pesam e reduzem a velocidade do jogador, na medida em que são acumuladas, e que impõe também uma carga máxima. Seu autor acabou criando um pacote que ativa quatro novas classes de herói, cada uma com capacidades diferentes, para esta edição. Parece que estas skins foram criadas com recursos gráficos do Yholl (do Doom Roguelike Arsenal) e do SoloSpaghetti e apresentam diferenças nas armas iniciais, capacidades de carga e notei também em suas velocidades.

Esta versão do Ed the Bat é algo que nem sempre vejo: traz apenas melhorias e correções diversas sem enfiar um monte de coisa nova no PWAD, algo que, muitas vezes, acaba descaracterizando o bagulho. Embora eu tenha achado que ela era muito diferente da original na primeira vez que vi, estava enganado. Ela substitui bem mesmo.

Vídeo

Acho que boa parte do showcase que fiz pro Adventures of Salvo Jettison original serve para
esta edição sem maiores problemas, então eu apenas mostrei uns mapas com as classes novas, até mesmo porque não notei nenhuma entre os Salvo Jettisons das duas edições.

Screenshots

Compatibilidade

Esta versão do PWAD precisa do GZDoom 1.8.02 ou superior e testei-o no Zandronum 3.0 pra ver se funfa neste port. Ele parece ser 100% compatível com os IWADs do Doom II: Hell on Earth, The Ultimate Doom e do Final Doom também. dá pra jogar de boa com o Freedoom. 
Não buga nem nada, mas você poderá 
notar algumas coisas estranhas, tipo uns sprites fora do 
lugar. Mas é coisa boba. Ele quebra o galho 
na falta dos outros.

Saiba mais

  • Adventures of Salvo Jettison, or “The Quest” (for Weight Watching) – A publicação do mod original em nosso site, onde tem mais detalhes, informações sobre o enredo etc. Serve pra complementar este post perfeitamente, visto que as atualizações desta versão não descaracterizaram o PWAD em nada.
  • Tem uns arquivos .TXT no download que são cheios de detalhes, junto com a versão original do mod.
site ou autor do arquivo Richard Smith Long tamanho do arquivo 21,2 MB licencaGrátis download link Download

Virtua Racing

23 de agosto de 2018
Virtua Racing

Virtua Racing, ou apenas V.R., é um jogo de Fórmula 1 desenvolvido pela Sega e lançado em outubro de 1992 para os fliperamas japoneses, originalmente. Primeiro jogo de corrida a ser totalmente renderizado com gráficos poligonais, sendo estes sombreados e preenchidos, o V.R. foi portado para consoles caseiros posteriormente, como o Mega Drive (1994) [7], Sega 32x no Virtua Racing Deluxe, (1994), Saturn no TimeRank Interactive’s V.R. – Virtua Racing (1995) e pro PlayStation 2 no Sega Ages 2500 Series Vol. 8: V.R. – Virtua Racing Flat Out (2004) e no Sega Classics Collection (2005).

Considerado um dos títulos mais influentes de todos os tempos, o Virtua Racing lançou os parâmetros que guiariam os jogos de corridas tridimensionais subsequentes e popularizou os gráficos poligonais 3D. De fato, lembro que o Virtua Racing era do baralho. Nesta época, quando a Sega inventava de caprichar, ela não brincava em serviço. Mesmo depois que ele já não era mais nenhum lançamento e “custava” apenas uma ficha, em casa, a gente jogava o Formula One Grand Prix para quebrar o galho, que embora seja um excelente game de F1 para PC, não tinha a mesma sensação de velocidade do clássico da Sega.

Screenshots

Vídeo

Acima temos o Virtua Racing sendo defenestrado em mais um episódio do Fliperama Nostálgico, uma série do canal Defenestrando Jogos. Além do gameplay e imagens diversas do game, o vídeo compartilha várias informações e curiosidades sobre o mesmo e é a principal fonte de dados que usamos para montar este post.

Gameplay

O jogo de arcade original tem três níveis de dificuldades: o novato é “Big Forest”, o intermediário é “Bay Bridge” e o especialista é “Acropolis”. Cada nível tem sua própria característica especial: por exemplo, o parque de diversões em “Big Forest”, ou a própria “Bay Bridge”, ou o hairpin apertado da “Acropolis”.

Além dos gráficos sublimes e excelente jogabilidade, Virtua Racing também permitiu que os jogadores mudassem os ângulos das câmera para se adequarem ao seu estilo preferido. Esse recurso, chamado de V.R. View System, foi então usado na maioria dos futuros títulos do gênero de fliperama da Sega, o que é um dos destaques do épico Daytona USA, aliás.

No mais, é um jogo de corrida esportiva mesmo, onde tem-se que ultrapassar os adversários em pistas variadas e tal. O jogador também tem que alcançar os checkpoints, sendo a linha de chegada apenas um deles, antes que o tempo acabe e dê game over. Claro que a diversão era maior ainda quando tinham mais pilotos humanos disputando, e, pelo o que vi, os gabinetes podiam ser linkados para até oito pessoas jogarem simultaneamente (embora o mais comum fossem máquinas para apenas duas pessoas mesmo). Eu lembro que o Virtua Racing, assim como o Daytona, dava uma nerfada no piloto que estava à frente quando se jogava no multiplayer, mas posso estar enganado…

Curiosidades

  1. Virtua Racing foi o primeiro jogo de corrida poligonal da Sega AM2, uma divisão da firma japonesa que era dedicada ao desenvolvimento para arcade, e apresenta muitas inovações na época, como mudar o ângulo da câmera, sentir a firmeza da direção ou o banco interagindo com a gravidade;
  2. A Sega usou o nome Virtua em uma variedade de outros produtos, como o Virtua Fighter, Virtua Cop, Virtua Striker e Virtua Tennis;
  3. A Toshiba EMI lançou um álbum com trilha sonora do game em uma edição limitada no dia 15 de dezembro de 1993, o Virtua Racing & Out Runners – TYCY-5365, 5366;
  4. Embora o uso de gráficos poligonais em 3D tenha sido iniciado pelas rivais Namco, com Winning Run em 1988, e a Atari, com Hard Drivin’ em 1989, Virtua Racing tinha visões amplamente melhoradas em termos de contagem de polígonos, taxa de quadros e complexidade geral de tela. Além disso, como dissemos, exibiu outras inovações como os vários ângulos de câmera e NPCs em 3D que contribuíram para uma maior sensação de imersão;
  5. Michael Jackson costumava possuir este jogo (modelo Wide Vision, número de série: 00461579), que também foi vendido no leilão oficial do cantor em 24 de abril de 2009;
  6. No Gamest Awards do Japão em 1992, o Virtua Racing foi nomeado para Melhor Jogo de Ação, Melhor Direção e Melhores Gráficos, mas perdeu para Street Fighter II’: Champion Edition, Art of Fighting e Xexex, respectivamente;
  7. O cartucho do Virtua Racing para o Mega Drive é enorme em comparação com todos os outros, pois incluí o chip SVP (Sega Virtua Processor);
  8. O primeiro jogo a ser processado em polígonos preenchidos foi o incrível lançamento da Atari de 1983, I, Robot.

Sly Spy

21 de agosto de 2018
Sly Spy

Sly Spy, conhecido no Japão como Secret Agent (シークレット・エージェント) e na Europa como Sly Spy: Secret Agent, é um jogo de tiro estilo shoot ’em up desenvolvido e lançado para os fliperamas pela Data East, em 1989. Em Sly Spy, o jogador assume o papel de um agente secreto estilo James Bond que deve perseguir um grupo de terroristas que roubaram um míssil nuclear e recuperar tal artefato antes de ser usado.

Exceto para o Nintendo Switch, o que aconteceu recentemente (3 de maio de 2018) o Sly Spy nunca foi portado para nenhum console caseiro. Entretanto, o jogo logo ganhou versões para vários computadores pessoais como o Amstrad CPC (1990), ZX Spectrum (1990), Atari ST (1990, Sly Spy: Secret Agent), Amiga (1990, Sly Spy: Secret Agent), Commodore C64 (Sly Spy: Secret Agent, de 1989, e Sly Spy: Secret Agent [Hit Squad Edition], de 1990).

Screenshots

As screenshots acima foram tiradas da versão de arcade do Sly Spy/Secret Agent e foram ampliadas. A resolução original é 256 x 240 pixels.

Enredo

Nos EUA, no ano de “199X”, o presidente e a primeira dama americanos sofrem um atentado em Washington DC quando terroristas (alguns de jetpacks, inclusive) começam a disparar na multidão. O presidente e sua esposa são dados como mortos. Mais tarde, um agente secreto que trabalha para o serviço secreto americano conhecido apenas como Sly é informado de que os terroristas que atacaram a cerimônia presidencial são membros da CWD (Conselho para a Dominação Mundial), uma organização secreta clandestina e terrorista envolvidas em drogas, tráfico de armas e corrupção governamental que está determinada a dominar o mundo. Sly é designado pelo serviço secreto para eliminar estes bandidos, quem começa sua missão saltando de um avião em direção a Washington DC para impedir que os terroristas se infiltrem nesta cidade e em outros pontos dos EUA, devendo também impedir que o CWD use um míssil nuclear para atacar a Terra.

Vídeo

Temos acima o gameplay do Sly Spy sendo zerado e comentado em um episódio do Fliperama Nostálgico, uma série de vídeos do canal Defenestrando Jogos.

Gameplay

Secret Agent/Sly Spy é, basicamente um jogo de tiro de rolagem lateral estilo shoot ’em up, mas também pode ser chamado de run and gun, sendo similar ao Rolling Thunder em alguns pontos, e conta com umas partes beat ’em up, como quando o jogador perde a arma e tem que meter o bicudo para eliminar os inimigos, tipo Shinobi ou Moonwalker. Pra completar a mistura de elementos, as oito fases do Sly Spy são baseadas em plataforma, embora também haja duas de mergulho subaquático e uma de perseguição de moto.

O jogador começa Sly Spy: Secret Agent armado apenas com uma pistola com munição limitada. Uma vez que a arma fica descarregada, se terá que recorrer aos chutes que citamos acima. Metralhadoras, jetpacks e outros itens podem ser dropados dos inimigos e podem ser usados pelo protagonista se recolhidos.

Existe também um poderoso Rifle de Ouro que mata todos os inimigos instantaneamente que pode ser usado por 25 segundos, algo indicado no canto superior direito da tela. Para ganhar tal rifle, o jogador precisa recolher todos os seis pedaços dele.

Curiosidades

  • Existem algumas referências a vários outros jogos da Data East em Sly Spy, como o corpo decapitado do RoboCop que pode ser visto deitado no chão no início do nível final do game, e outros jogos de luta da Data East, como Bad Dudes vs DragonNinja, Karnov e Chelnov (Atomic Runner).
  • Apesar de não ser oficialmente licenciado como um jogo de James Bond, o agente secreto tem a intenção de representar o famoso espião dos filmes. O vilão Jaws surge no final da segunda fase e outro vilão famoso, Odd Job, também aparece. Outra referência a James Bond memorável é o uso de um imitador de Sean Connery que diz aos jogadores que eles têm feito um grande trabalho após a conclusão de cada nível.

Wildcat Spy

20 de agosto de 2018
Wildcat Spy

Wildcat Spy é um jogo original de espionagem em Flash onde você é um espião que se disfarça perfeitamente em uma planta. Se ficar parado, ninguém pode vê-lo, mas se fizer um movimento, os inimigos vão notar você. O jogo parece muito simples, mas é muito divertido e lembra um pouco Karoshi, mas com outro tema.

Controles e instruções

  • Use as setas para mover para a esquerda e direita.
  • Aperte a seta para cima para subir escadas ou ativar algum objeto.
  • Tente evitar mover os pés no campo de visão dos inimigos, embora o resto do seu corpo pode não ter problema.

Clique Aqui Para Jogar

Defenestrando Terra Cresta (1985)

19 de agosto de 2018
Defenestrando Terra Cresta (1985)

Assista conosco o jogo de navinha Terra Cresta sendo defenestrado em mais um episódio do Fliperama Nostálgico que estamos adicionando aqui para você ter algo decente para assistir no domingo.

O vídeo, além de mostrar o gameplay deste jogo antigo, compartilha algumas informações e curiosidades conosco, o que usamos como uma das fontes para construir esta publicação.

Terra Cresta (テラクレスタ) é um jogo de tiro estilo shoot ’em up com rolagem vertical desenvolvido e lançado pela Nichibutsu, a marca de videogames da finada Nihon Bussan, em novembro de 1985. Terra Cresta coloca o jogador no comando de uma aeronave que pode receber diversos upgrades através de fases que se passam em ilhas repletas de instalações, naves, armas e torres terrestres, dinossauros e outros inimigos.

Lançado originalmente para os fliperamas e usando o hardware da Nichibutsu, o Terra Cresta foi portado posteriormente para NES, Commodore 64, ZX Spectrum, Amstrad CPC, Sharp X68000, PlayStation 2, Switch e PlayStation 4, saindo em forma de coletânea em algumas destas plataformas. Terra Cresta 3D, uma versão tridimensional do jogo, foi também lançada apenas no Japão, em 1997 para o Saturn.

O Terra Cresta é a sequência direta do Moon Cresta, jogo lançado cinco anos antes. Ele também foi sucedido por três outros jogos da série: Dangar – Ufo Robo (1986), Terra Force (1987), Terra Cresta II – Mandoraa no Gyakushuu (1992, NEC PC Engine).

Gameplay

Em Terra Cresta, um planeta bem guardado está sendo invadido e o jogador, no comando da nave espacial Wing Galibur, terá que encarar um grande número de inimigos no ar e na superfície, incluindo tiranossauros, torreões e naves-mães.

Bases numeradas liberam power-ups quando destruídas que podem ser usados em combinação ou no Modo de Formação, cobrindo uma gama maior de posições de tiro. Quando todas as partes são coletadas, você se transforma em uma Fênix brilhante e indestrutível por um tempo limitado. Além disto, o jogador pode fazer as peças se separarem da Wing Galibur e ficarem em volta da nave em forma e triangulo, ficando invulneráveis ao fogo inimigo e podendo atirar em diversas direções. Neste modo, se a nave for atingida, ela volta a ser apenas uma peça e o jogador fica sujeito a perder vidas. Se perder todas elas, já sabe: é game over.

Cada passagem pelo planeta termina com uma nave-mãe chefona, sendo que a terceira e final só pode ser morta se a nave estiver no poder máximo. Uma vez vencida, o jogo recomeça do primeiro mundo.

Curiosidades

  • Você vira a Fênix da tela de título se recolher todas as partes das naves, como poderia-se imaginar;
  • A Pony Canyon/Scitron lançou uma edição limitada com a trilha sonora do Terra Cresta (G.S.M. Nichibutsu 1 – D28B0004) no dia 21 de setembro de 1988.

Dicas

Atire nos silos terrestes numerados de 2 a 5 para dropar outras partes das naves que aumentam o poder de fogo. As partes são 2 – tiro mais amplo, 3 – tiro traseiro, 4 – canhão frontal e 5 – escudo traseiro.

Saiba mais

Clique Aqui Para Assistir Ao Vídeo

Cyber Kulkis: Inca

18 de agosto de 2018
Cyber Kulkis: Inca

Cyber Kulkis: Inca te leva a uma jornada 8-bit, retrô e em pixel art em 20 fases desafiadoras que envolvem ouro: bugigangas de ouro, paredes de ouro e quebra-cabeças dourados.

Cyber Kulkis é uma pequena entidade esférica que está em uma busca de glória e loucura lógica. Uma busca de limpar mundos e terras minúsculas do lixo.

Controles e instruções

  • Setinhas: Movimentar
  • R: Reiniciar a fase
  • Recolha todos os bônus e alcance a saída da fase.

Se você gostou deste game, experimente o Cyber Kulkis: Blob também.

Clique Aqui Para Jogar

  • Inscreva-se na nossa newsletter!

  • Nos siga nas redes sociais!

  • Páginas

  • Áreas especiais

  • Categorias

  • Parceiros

  • eXTReMe Tracker
    Copyright © 2001 - 2018 Gaming Room. Todos os Direitos Reservados - É expressamente proibida a reprodução total ou parcial deste site sem o consentimento dos autores.