Principais Atualizações

Mission Freedom

15 de maio de 2018
Mission Freedom

Mission Freedom apresenta-se como jogo de tiro online (em Flash) intenso e estilo shoot ’em up, você controla uma nave espacial e tem que salvar o mundo do apocalipse iminente.

O game, considerando a plataforma, apresenta belos gráficos (estilo 16-bit), gameplay bem casual e muita ação para você se distrair de bobeira.

Controles

  • O mouse controla a nave e atira.
  • ESC pausa o game.

Clique Aqui Para Jogar

Galapong

14 de maio de 2018
Galapong

Galapong é um game online (em Flash) interessante que mistura dois clássicos das antigas, Galaxian e Pong, em um jogo só enquanto utiliza gráficos e sons absolutamente retrô, bem no estilo dos consoles da época.

Jogue e mova a raquete vermelha e pegue a bola saltando, enquanto atira lasers no exército interminável de alienígenas e na raquete do rival azul! Colete minerais e power-ups, compre upgrades e ganhe realizações.

Controles

  • Mova e atire com o mouse.
  • Pressione M para silenciar o game.
  • Pressione Q para alterar a qualidade gráfica.
  • Pressione a tecla P para pausar o jogo.
  • Pressione  ESC para pular de fase.
  • Dica: não bata na bola muito forte, isto a torna demasiado rápida para pegar.

Clique Aqui Para Jogar

Defenestrando Chase H.Q. (1988)

13 de maio de 2018
Defenestrando Chase H.Q. (1988)

Hoje vamos conferir o Chase H.Q., um jogo de arcade dos anos 80 sendo defenestrado em mais um Fliperama Nostálgico que estamos adicionando aqui. Além do gameplay, o vídeo compartilha vários dados e curiosidades a respeito deste game. Foi feito pelo canal Defenestrando Jogos e é a principal fonte de dados para esta publicação.

Chase H.Q. (チェイスH.Q.) é um jogo desenvolvido e lançado pela Taito em novembro de 1988 para os fliperamas onde o jogador assume o papel de um policial chamado Tony Gibson que, junto com o seu parceiro Raymond Broady, tem que impedir criminosos de fugirem em perseguições em alta velocidade.

Considerado um sucessor espiritual do Full Throttle, um jogo da Taito (e não o adventure da LucasArts) de 87, o Chase H.Q. foi bem recebido, o que justificou o lançamento de quatro sequências: S.C.I. – Special Criminal Investigation (1989), Super Chase – Criminal Termination (1992), Ray Tracers (1997) e Chase H.Q. 2 (2007), além de dois spin offs: Crime City (1989) e Quiz H.Q. (1990).

O sucesso de Chase H.Q. também foi um fator que serviu de incentivo para o game ser portado para diversas outras plataformas, como Famicom (8 de dezembro de 1989), PC Engine, Game Boy, Master System (1990), Game Gear (8 de março de 1991), Saturn, Game Boy Color, PlayStation 2, Wii, ZX Spectrum (1988), CPC (1989), Amiga (1989), Atari ST (1989), Commodore C64 (1990), Sharp X68000 (1992) e FM Towns PC (1993).

Embora superficialmente semelhante em tecnologia ao Out Run, lançado pela Sega dois anos antes, o Chase H.Q. apresenta avanços técnicos em relação a este título no que concerne as perspectivas, colinas e divisões de pistas. O jogo foi muito bem recebido pela crítica, assim como as versões portadas pela Ocean Software para os computadores pessoais. Além disto tudo, o Chase H.Q. é considerado o precursor de títulos como Driver e Burnout.

Enredo

Tony Gibson, membro do Chase Special Investigation Department (algo como “Departamento de Investigação Especial de Chase”), junto com seu parceiro, Raymond Broady, são dois policiais disfarçados que devem impedir criminosos perigosos de escaparem em perseguições de alta velocidade, guiando um Porsche preto no melhor estilo do seriado oitentista Miami Vice.

Gameplay

Em Chase H.Q., o jogador tem um determinado tempo em segundos para pegar o criminoso e depois mais um prazo para danificar e inutilizar o seu carro, impedindo-o de fugir. É parecido com aqueles joguinhos de perseguição para browsers, só que com perspectiva e gráficos bem parecidos com os de Out Run. Aliás, como neste jogo da Sega, o Chase H.Q. tem as famosas bifurcações que oferecem aos jogadores escolha de rotas, embora aqui a rota selecionada é apenas um desvio temporário e determina a rapidez com que o criminoso é pego.

O Porsche do jogador é equipado com um número limitado de turbo (ou nitro) que, quando utilizado, dá uma aceleração extra bem potente, embora sacrifique o controle do carro. O turbo deve ser usado com sabedoria, senão o jogador não terá a chance de capturar o criminoso antes de acabar o tempo.

O jogo tem cinco fases. Tanto o limite de tempo inicial para chegar ao criminoso quanto a extensão para pegar o vagabundo são 60, 65 ou 70 segundos. Os vilões da versão de fliperama são:

  1. Ralph, the Idaho Slasher (White Lotus Esprit);
  2. Carlos, the New York armed robber (Yellow Lamborghini Countach);
  3. Chicago pushers (Silver Porsche 959);
  4. L.A. kidnapper (Blue Ferrari 288 GTO);
  5. Eastern Bloc Spy (Red Porsche 928).

Curiosidades

  • Chase H.Q. foi, sem dúvida, o primeiro jogo que utilizou sprite-scale depois que a Sega lançou o lendário Out Run, mexendo com o imaginário de todos que jogavam e produziam jogos na época;
  • No início de cada fase, quando Nancy, no QG da Chase liga para a rádio, a frequência é sempre 144.X MHz. Esta é, na verdade, a banda de 2 metros de frequências radioamadoras;
  • Como eu já falei, a inspiração do Porsche preto veio do seriado Miami Vice, um programa muito popular dos anos 80, embora eu ache ele meio ruim;
  • O policial Tony Gibson é o branco e o Raymond Broady é o negro, assim como era a dupla de protagonistas do Miami Vice;
  • A versão japonesa tem diferentes vozes, já que conta com atuações de voz neste idioma.

Clique Aqui Para Assistir Ao Vídeo

Wolfenstein 3D do Game Boy Advance [Online]

12 de maio de 2018
Wolfenstein 3D do Game Boy Advance [Online]

Esta é uma versão do Wolfenstein 3D do Game Boy Advance e online, emulada de forma a tornar este port do famoso jogo de tiro em primeira pessoa da id Software jogável no seu browser, sem necessidade de instalação nem nada.

Esta versão foi lançada em 2002 para o GBA por uma firma chamada Stalker Entertainment. É quase idêntica, exceto pela resolução mais baixa e a falta de música de fundo e a opção de saves rápidos (não quicksaves, o jogo pede para você salvar depois de cada fase).

O resto você já sabe: sua missão como o durão espião aliado William “B.J.” Blazkowics é escapar do Castelo Wolfenstein, abrindo caminho através de um exército de soldados nazistas e experimentos macabros usando todas as armas e munições que conseguir achar.

Controles

  • Direcional [Setinhas]: Movimenta o personagem e as opções do menu
  • Botão A [J ou X]: Ataca ou confirma comando no menu
  • Botão B [Y ou Z]: Interage ou cancela o comando no menu
  • L e R Buttons [1 e 2]: Strafe esquerda e direita
  • Start [ENTER]: Pausa o game e traz o menu
  • Select [SHIFT]: Troca de armas
  • Botão A + Botão B + Select: Volta à tela título

Veja mais

Clique Aqui Para Jogar

Netronian Chaos

12 de maio de 2018
Netronian Chaos

Netronian Chaos é um mod para Doom desenvolvido pelo Captain J que traz belos gráficos desenhados no MS Paint e efeitos sonoros de anime para o icônico FPS da id Software. O PWAD traz armas, monstros, efeitos, sprites, telas e HUD novos, além de uma introdução, enredo próprio e alguns elementos de plataforma (dá pra controlar o salto em pleno ar).

Os sprites de itens, munições, armas. monstros e até da cabeça do John Romero foram todos modificados, com os dois últimos também apresentando funcionamentos substancialmente novos. O destaque do Netronian Chaos vai para o arsenal, sendo este composto de 24 armas, mas a protagonista pode carregar no máximo seis, podendo descartar uma ou mais quando achar necessário. Dá para desabilitar este limite menu, mas o mod é mais interessante no seu jeito padrão mesmo. No mod fala que é uma TC, uma conversão total, e no tópico oficial do PWAD tem uns nego falando em criar mapa, mas ainda não sei o que pensar disso.

Algumas armas foram claramente baseadas em outras que já estamos carecas de ver por aí, inclusive numas do arsenal do Russian Overkill, embora não sejam, nem de longe, tão apelonas. O spawn delas é aleatório e podem dropar ou não de alguns monstros. Notei também que o Netronian Chaos não tem infighting, porém os inimigos infligem dano uns nos outros por fogo cruzado. Pelo menos, dá para aproveitar disto algumas vezes.

Tem uma granada também, a SparkPlug Bomb, que apresenta um funcionamento peculiar e original e pode ser ativada pela tecla “USE”, sem precisar trocar de armas (o que é sempre conveniente). Ela tem um bom raio de explosão e parece flutuar por alguns instantes antes de parar e explodir.

Vídeo

Acima, temos umas partidas com o Netronian Chaos V.3 sendo testado, apresentado e com um pequeno review do Facínora.

Review*

Gostei demais do Netronian Chaos. Os gráficos são extremamente bem feitos, coloridos e agradáveis.
Fazer isto no Paint não é nada trivial, deve ter dado um trampo do baralho. Pra completar, tudo fica combinado harmoniosamente no mod, inclusive com os efeitos sonoros, os gibs e as excelentes animações. As armas são bem divertidas de usar e a limitação de seis por vez acaba forçando o jogador a pensar estrategicamente, considerando fatores como munição e poder de fogo.

A jogabilidade do PWAD é bastante equilibrada também, sendo sensivelmente mais difícil que o Vanilla, promovendo mais desafio, mas sem deixar o jogo impraticável.

O Facínora recomenda.

*Comecei a separar o review da descrição geral do mod pra deixá-la mais neutra a partir de hoje!

Screenshots

Compatibilidade

Rodei o Netronian Chaos aqui no GZDoom 3.3.1 com os IWADs do Doom II: Hell on Earth, The Ultimate Doom, Final Doom e de ambas as phases do Freedoom. Parece que funcionou de boa com tudo isso.

Atenção: Não se esqueca de configurar a tecla para descartar as armas. Não pode ser a “Drop Weapon” padrão do ZDoom, pois pode bugar o game. Pressione a tecla F1 para obter ajuda.

Não cheguei a testá-las, mas parece que algumas versões antigas do PWAD não tem monstros próprios, o que talvez signifique que possam ser combinadas com pacotes de inimigos diversos.

Saiba mais

  • Netronian Chaos: Cosmic Adventures With no Tendencies – Tópico do mod no fórum do ZDoom, onde você pode encontrar mais informações, screenshots, vídeos, versões antigas do PWAD (pra combinar com pacotes de armas etc.) e verificar pra saber se já saiu alguma eventual nova atualização. O tópico foi criado pelo próprio Captain J e está em Inglês.
site ou autor do arquivo Captain J tamanho do arquivo 65,31 MB licencaGrátis Download

Tank 2012

10 de maio de 2018
Tank 2012

Tank 2012 é o capítulo final de uma série de jogos online de tiro de tanques em Flash que conta com perspectiva top-down e bons gráficos e jogabilidade (considerando a plataforma, é claro). O objetivo do game é claro: destruir todos os que estão em seu caminho, completar suas missões, salvar o planeta, ganhar dinheiro e ser o número 1! Será que você vai sobreviver?

Ao contrário dos outros games da série, a loja funciona de uma forma diferente: Você tem que tentar a sua sorte para obter armas e outras defesas na roda da fortuna. Quanto mais você gira, mais caro ele fica!

Tank 2012 oferece uma seleção de tanques diferentes que podem ser usados ​​durante as suas missões. Cada um tem vantagens e desvantagens e o jogador quem decide qual tanque é melhor para usar.

Você também tem três mochilas para carregar com diferentes armas e defesas. Cada mochila permite que você pegar uma arma primária, uma secundária e uma arma especial. Você também tem três dispositivos “automáticos” que podem ser usados ​​para ajudar em sua campanha.

Controles

  • WASD: Movimenta
  • Mouse: Mira e atira
  • Q e E: Troca de armas
  • 1 a 3: Seleciona mochilas diferentes

P.S.: Se você gostou de Tank 2012, você deveria experimentar também o Tank 2010, o jogo anterior da série.

Clique Aqui Para Jogar

Catacomb 3-D: The Descent

8 de maio de 2018
Catacomb 3-D: The Descent

Catacomb 3-D, também conhecido como Catacomb 3-D: A New Dimension, Catacomb 3-D: The Descent ou apenas Catacombs 3, é um jogo de tiro em primeira pessoa desenvolvido pela id software e lançado pela Softdisk em novembro de 1991 para PC (MS-DOS).

Primeiro FPS da série Catacomb e terceiro game da mesma depois de dois top-down shooters, Catacomb 3-D: The Descent é reconhecido como um marco em termos de gráficos em primeira pessoa, sendo provavelmente o primeiro tiro em primeira pessoa moderno baseado em um personagem, visto que é o ancestral direto dos jogos que popularizaram o gênero.

Usando o protótipo da engine do Wolfenstein 3D, Catacomb 3-D: The Descent trouxe o conceito de mostrar a mão do jogador em um ponto de vista tridimensional e vários outros elementos usados não apenas no Wolfenstein 3D e Spear of Destiny, mas também em quase todos os games que sucederam este título, como Doom, Heretic and Hexen.

Screenshots

Enredo

Em um mundo sombrio de fantasia medieval, o jogador controla o feiticeiro Petton Everhail enquanto ele avança nos subterrâneos da catacumba de Towne Cemetery para derrotar o lich maligno Nemesis e resgatar Grelminar, seu amigo.

Sobre o download

O link para download que temos leva para o Catacombs Pack, uma compilação do GOG com os seis games da série Catacomb. Ou seja, se você não se importar de gastar uma ninharia, você pode obter Catacomb, Catacomb II, Catacomb 3D: Descent, Catacomb Abyss 3D, Catacomb Armageddon e Catacomb Apocalypse por um preço bom, com umas coisinhas extras e prontos para rodar no seu sistema operacional moderno (Windows XP, Vista, 7, 8 e Mac OS X 10.6.8). O Catacombs Pack também é DRM-Free, ou seja, você não precisa de instalar aquelas porcarias do Steam ou Origin para jogar, nem de conexão à Internet.

Veja também

  • Catacomb 3-D: The Descent Online – Versão de MS-DOS do jogo emulada diretamente no seu browser, eliminando a necessidade de fazer download ou instalações. A emulação é muito suave, diga-se de passagem.
  • The Catacomb Abyss – O quarto game da série Catacomb, que também é FPS.
  • Catacombs Pack – Como dissemos acima, é um pacote que inclui toda a série Catacomb pronta para rodar no Windows, sem DRM e com alguns extras.
site ou autor do arquivo id Software tamanho do arquivo 14 MB licencaUS$ 3,59 sistemas operacionais compativeisWindows XP/Vista/7/8/10 e Mac OS X (10.6.8) Download

Police Brutality (Weasel Presents: Terrorists!)

7 de maio de 2018
Police Brutality (Weasel Presents: Terrorists!)

Police Brutality (Weasel Presents: Terrorists!) é um mod para Doom criado pelo wildweasel inspirado em filmes de ação dos anos 80 e games de pistola laser dos anos 90. Com tema de contraterrorismo, o autor afirma que este mod é o que o Operation Body Count, um FPS da Capstone Software, deveria ter sido.

O PWAD modifica inimigos, itens, armas, HUD, efeitos sonoros e sprites em geral, trazendo também um sistema interessante de upgrades baseado em experiência, ataques corpo a corpo rápidos que podem ser alternados, spawn aleatório de monstros e uma introdução estilo briefing. O Terrorists! também tem uns NPCs que podem dropar upgrades ou power-ups, dependendo do seu tipo, se são mortos ou auxiliados. Uns NPCs foram tirados até do Mortal Kombat, enquanto os inimigos, bem rápidos no gatilho, foram ripados do William Shatner’s TekWar, um FPS meio cafona, mas bastante decente da Capstone Software.

Gostei bastante do mod no geral. Tive alguns problemas com as armas e o processo de recarregá-las, e os inimigos não ficaram muito bons, graficamente falando (parecem meio mortos). Mas isto é café pequeno, até mesmo porque eles combinam com o tema e ainda prestam homenagem ao TekWar e os pontos fortes ofuscam qualquer deficiência. As animações das armas, efeitos sonoros e a temática nostálgica já são muito bons em si, mas o sistema de upgrades, muito simples, prático e direto, e o fato de tanto o melee rápido quanto as granadas poderem ser ativados com teclas separadas realmente se destacaram no Terrorists!

Vídeo

O vídeo acima foi feito com a versão do mod é a que está no Doomworld, mais antiga. Tem uma mais nova no fórum do ZDoom, mas esta me parecia mais estável. De qualquer maneira, se este vídeo der ibope, posso sempre fazer outro da nova versão também.

Screenshots

Compatibilidade

Eu rodei o Terrorists! aqui no GZDoom (1.8.2, 2.4 e 3.3.1) e no Zandronum 3.0, com os IWADs do Doom II: Hell on Earth, The Ultimate Doom, Final Doom e de ambas phases do Freedoom. O mod pareceu funcionar de boa com tudo isso.

Saiba mais

  • Operation Body Count – Um remake do jogo de tiro em primeira pessoa da Capstone feito em um mod para Doom também.
  • Terrorists! no Doomworld – Com mais informações e mirrors para download, da versão antiga do mod.
  • Terrorists! no ZDoom – Tópico do PWAD no fórum oficial do ZDoom, com mais informações também e tudo mais, além de eventuais updates (se tiver mais algum).
site ou autor do arquivo wildweasel tamanho do arquivo 26,7 MB licencaGrátis Download

Ghost Team Shooter

7 de maio de 2018
Ghost Team Shooter

Ghost Team Shooter é um jogo de tiro em primeira pessoa online (WebGL) onde você é um soldado de uma equipe de operações secretas e a sua missão é eliminar todos os mercenários inimigos que se encontram neste campo de treinamento dentro de umas ruínas misteriosas e antigas.

Use o seu arsenal de poderosas armas para atirar em todas as forças hostis e tente sobreviver a todas as ondas de soldados, para vencer este FPS para browsers inspirado no clássico Counter-Strike.

Controle

  • WASD: Movimentar
  • Mouse: Mira e atira
  • Rodinha do Mouse: Troca de armas
  • R: Recarregar
  • SHIFT: Correr
  • CTRL: Agachar
  • T: Bullet time

Clique Aqui Para Jogar

Defenestrando Ghouls’n Ghosts (1988)

6 de maio de 2018
Defenestrando Ghouls’n Ghosts (1988)

Para começar bem o domingão, vamos adicionar aqui um playthrough do clássico Ghouls’n Ghosts sendo defenestrado em mais um Fliperama Nostálgico, do canal Defenestrando Jogos.

O vídeo, além de providenciar para você quase 1 hora de qualidade, em contraste com a programação dominical de costume, também compartilha várias informações e curiosidades que usamos para construir este post.

Ghouls’n Ghosts (大魔界村) é um jogo de plataforma com rolagem lateral desenvolvido e lançado pela Capcom em dezembro de 1988 para os arcades japoneses, sendo posteriormente portado para várias outras plataformas. É a sequência do Ghost ‘n Goblins, apresentando gráficos substancialmente superiores aos deste seu predecessor de 1985, com um nível de design excelente e altamente imaginativo e inimigos bem animados, tudo combinado em uma agradável e intrigante atmosfera gótica.

O Ghouls’n Ghosts é o segundo game da icônica série Ghost ‘n Goblins, sendo seguido do Super Ghouls’n Ghosts (1991), Maximo – Ghosts to Glory (2002), Maximo vs. Army of Zin (2004) e Ultimate Ghosts’n Goblins (2006). Além disto, ele também ganhou versões para as seguinte plataformas: Mega Drive (1989), SuperGrafx (1990), Saturn (1998, Capcom Generation 2: Dai 2 Shuu Makai to Kishi), PlayStation (1998, Capcom Generation 2: Dai 2 Shuu Makai to Kishi e, em 2005, Capcom Retro Game Collection Vol.2), Game Boy Advance (2004, Famicom Mini – Makai-Mura), PlayStation 2 (2006, Capcom Classics Collection), PSP (2006, Capcom Classics Collection), Wii (2007, versão de Mega Drive e Capcom Classics Collection), PlayStation 3 (2013, Capcom Arcade Cabinet) e X68000 (1994).

Enredo

Três anos depois da sua primeira aventura, Arthur, o cavaleiro, mais uma vez encontra-se lutando contra as criaturas horrendas do Mundo dos Demônios. Mas, desta vez, os demônios assassinaram todas as pessoas do reino, inclusive a amada de Arthur, Gunievere. Todas as suas almas destas pessoas estão em posse do rei dos demônios, Lúcifer. Arthur embarca em mais uma jornada para destruir os invasores demoníacos e salvar a alma de todos que pereceram.

Gameplay

O gameplay do Ghouls’n Ghosts é muito semelhante ao do Ghosts’n Goblins, com o clássico esquema run and gun consagrado no primeiro game permanecendo intacto, mas com a possibilidade de se atirar para cima e para baixo durante os saltos. A principal diferença é que aqui Arthur tem acesso a diversos novos power-ups para ajudá-lo em sua busca, como a Golden Armor, uma armadura que habilita Arthur a usar uma poderosa magia dependendo da arma que estiver em punho.

Ghouls’n Ghosts é ainda mais difícil do que o seu antecessor, um game reconhecidamente difícil. Nele, o protagonista deve avançar através de uma série de níveis assustadores e derrotar um número de criaturas demoníacas e mortas-vivas. Ao longo do caminho, Arthur pode recolher uma variedade de armas e armaduras para ajudá-lo em sua missão.

Saltando em certos pontos, os jogadores podem fazer com que um baú do tesouro surja no mapa. Ao disparar nelas, podem-se obter novas armas, armaduras de ouro ou um mago maligno que transforma Arthur em um homem idoso ou em um pato indefeso.

Fases

Existem cinco fases além da câmara de Lúcifer no final, completando um total de seis níveis. Para derrotar o jogo, Arthur deve completar as cinco primeiras duas vezes. Da primeira vez, Arthur é levado de volta ao nível 1 novamente, mas, desta vez, uma arma especial aparece durante o jogo. Para entrar na câmara de Lúcifer, o jogador deve ter esta arma especial equipada e derrotar o chefe Fly final do nível 5. Depois de entrar na grande porta final, o jogador vai diretamente para a câmara de Lúcifer.

  1. The Haunted Graveyard (às vezes conhecido como Executioner’s Graveyard) e The Floating Island.
  2. Village of Decay e The Town On Fire.
  3. Baron Rankle’s Tower e The Horrible Faced Mountains.
  4. The Crystal Cave e The Icy Descent.
  5. Lucifer’s Castle Part 1 e Lucifer’s Castle Part 2.
  6. Lucifer’s Chamber.

Pontos

Skeleton Murderer: 100 pontos; The Magician: 100 pontos; Vulture: 200 pontos; Skull Flower: 100 pontos; Skull: 100 pontos; Tornado Weasel: 200 pontos; Giant Earthworm: 200 pontos; Pig Ogre: 500 pontos; Shielder (Level 1 boss): 5000 pontos; Rock Turtle: 200 pontos; Insect Goblin: 100 pontos; Red Arremer King: 500 pontos; Fire Bat: 100 pontos; Eyeball Plant: 500 pontos; Cerberus (Level 2 boss): 5000 pontos; Flying Goblin: 100 pontos; Mud Armor: 500 pontos; Blowfish Ghoul: 100 pontos; Gassuto (Level 3 boss): 5000 pontos; Tree Golem: 500 pontos; Armored Worm: 300 pontos; Goblin Hand: 300 pontos; Water Worm: 200 pontos; Hurricane Eye (small): 500 pontos; Ghoul Snake: 500 pontos; Ohme (Level 4 boss): 5000 pontos; Heart of Ohme: 100 pontos; Ohme Larva: 100 pontos; Dragon Skeleton: 200 pontos; Satan: 1, 000 pontos; Headless Golem: 1000 pontos; Beelzebub (Level 5 boss): 5000 pontos; Lucifer (Final boss): 10000 pontos

Citizen Doll: este item te dá 200 pontos extras.
Knight Doll: este item te dá 500 pontos extras.

Curiosidades

  • Ghouls’n Ghosts foi originalmente lançado nos arcades japoneses com o nome de Daimakaimura;
  • Este título em japonês pode ser traduzido como “Great Demon World Village” ou “Grande Vila do Mundo dos Demônios”;
  • O jogo ficou conhecido como o segundo jogo vídeo feito para o sistema CPS-1;
  • Foi lançada uma reedição de Daimakaimura apenas no Japão.

Veja também

Clique Aqui Para Assistir Ao Vídeo

Toon Tournament

5 de maio de 2018
Toon Tournament

Toon Tournament é um jogo de tiro em primeira pessoa online para browsers, divertido e interativo e com gráficos e temática cartunesca, que desafiará suas habilidades e reflexos.

Ele apresenta modos tanto single player quanto multiplayer, então você poderá desfrutá-lo sozinho ou contra jogadores do mundo todo!

Divirta-se!

Controles

  • WASD: Movimentar
  • Mouse: Mirar e atirar
  • 1 a 8: Selecionar armas

Clique Aqui Para Jogar

Strider

4 de maio de 2018
Strider

Strider, lançado no Japão como Strider Hiryū (ストライダー飛竜), é um jogo de plataforma com rolagem lateral desenvolvido e lançado pela Capcom em março de 1989, originalmente para os fliperamas (CPS-1).

Strider conta a história de Hiryu, membro de um grupo secretos de ninjas conhecido como “Striders”, enredo que surgiu na série de mangás Strider Hiryu. O jogo foi louvado pelo seu gameplay inovador, música original e diversa e atuação de voz em vários idiomas, e é considerado um dos grandes sucessos da Capcom antes do Street Fighter II. Isto se refletiu não apenas na série e no grande número de ports que o jogo ganhou (veja abaixo), mas também em crossovers, como o Marvel vs. Capcom, paródias e na influência em diversas franquias como Ninja Gaiden, Devil May Cry e God of War.

Vídeo

Acima, temos um vídeo que mostra o gameplay deste grande clássico dos arcades sendo defenestrado e comentado em mais Fliperama Nostálgico, esta série do canal Defenestrando Jogos muito legal. O vídeo é a principal fonte de dados para esta publicação.

Série e ports

A série oficial do Strider é constituída de 4 jogos:

  • Strider (1989), o original;
  • Strider II (1990), sequencia conhecida nos EUA como Journey from Darkness: Strider Returns e desenvolvida pela Tiertex;
  • Strider 2, lançado no Japão como Strider Hiryū 2, desenvolvido pela Capcom e que ignora os acontecimentos de Strider II;
  • Strider (2014), reboot do original de 89.

Além das sequências, como dito anteriormente, o Strider foi portado para um grande número de outros sistemas. Só para consoles caseiros, temos:

Nintendo 8-Bit (julho de 1989), Genesis (1990), Mega Drive (1991), Master System (1991), PC Engine (1994), PlayStation (28 de julho de 2000, junto com o Strider 2), Game Boy Advance (19 de setembro de 2006, na coletânea Capcom Classics Mini Mix – versão de NES), PSP (22 de março de 2006, no Capcom Classics Collection Remixed), Xbox (24 de novembro de 2006, no Capcom Classics Collection Vol. 2), PlayStation 2 (24 de novembro de 2006 no Capcom Classics Collection Volume 2) e Wii (16 de fevereiro de 2012, versão do Genesis).

Já para os seguintes computadores pessoais ganharam versões do clássico da Capcom também: Amstrad CPC (1989), Atari ST (1989), Commodore C64 (1989), Commodore Amiga (1989), PC (1989, MS-DOS), Sinclair ZX Spectrum (1989), Amstrad CPC (1990, por Kixx), Amstrad CPC (1990, Les Aventuriers) e Sharp X68000 (1992).

Ele também saiu na Capcom Colletion, uma coletânea da Capcom, para o Amstrad CPC (1991), Atari ST (1991), Commodore C64 (1991) e Commodore Amiga (1991).

Enredo

No futuro distópico de 2048, o mundo é tiranizado pelo ditador global conhecido como “Grandmaster Meio”, um ser que prometia salvar o planeta com as velhas promessas de um mundo melhor, mas só trouxe a opressão a agressão, como o de costume. Hiryu é o mais jovem integrante de todos os tempos de um grupo de ninjas high tech chamado de Striders. Ele foi encarregado com a missão de assassinar o Grandmaster e, armado com uma espada curva de plasma conhecida como “Falchion” (ou “Cypher”), ele deve viajar o mundo para encontrar e destruir esse pessoal. Hiryu começa sua jornada ao infiltrar-se na capital do império do Grandmaster, localizada na Kazakh Soviet Socialist Republic (República Socialista Soviética de Kazakh).

Gameplay

Os controles de Strider consistem em um joystick que se movimenta em oito direções e um botão de ataque e outro para saltos. O protagonista, Hiryu, pode fazer saltos acrobáticos, dependendo da combinação destes botões, ou deslizar sobre certos obstáculos ou inimigos. O jovem ninja também consegue se agarrar em certas plataformas e tetos e escalar muros usando um gancho metálico. Quando corre em um declive, Hiryu pode ganhar impulso e dar um salto maior do que o comum.

Vários power-ups podem ser obtidos a partir de caixas de itens metálicos transportados por certos inimigos. Estes podem ser um aumento do alcance da espada que dura 100 golpes, dois tipos de kit médicos representados pelo kanji usado para escrever o nome de Hiryu (飛 e 飛竜), um que aumenta a saúde, vida extra e um power-up que não só torna Hiryu invulnerável ao ataque, mas também aumenta suas próprias habilidades de ataque com as sombras do herói que duram 30 segundos.

Strider tem cinco fases no total e cada uma contém subdivisões menores, com cada com o seu próprio limite de tempo para ser vencida. Hiryu inicialmente tem um indicador de saúde de três pontos (que pode ser aumentado para cinco pontos com o power-up adequado). Ele perderá uma vida quando o medidor de saúde ou o timer forem totalmente esgotados ou quando ele sair pra fora da tela. Se ele perder todas as suas vidas, adivinhe, é game over.

Screenshots

As screenshots acima foram tiradas da versão de arcade do Strider e foram ampliadas. A resolução original é Raster, 384×224 pixels, 4096 cores na tela e 65,536 de profundidade de cores.

Curiosidades

  • O Strider foi lançado no Brasil em 1993 para o Master System pela nossa Tec Toy. Esta foi a versão que eu, o Facínora, conheci o jogo;
  • O mangá (veja abaixo) Strider Hiryu foi ilustrado por Tatsumi Wada, que pode ser um um apelido para o criador de Strider, Moto Kikaku, ou talvez o contrário;
  • Strider foi o terceiro game lançado para o CPS-1;
  • O título deste jogo pode ser traduzido diretamente do japonês como “Flying Dragon Strider”;
  • Uma das três meninas no final do nível 2 aparece como um personagem Striker (Ton-Pooh) em Marvel vs. Capcom – Clash of Super Heroes.

Strider Hiryu (série de mangá que deu origem ao Strider)

Hiryu, também consagrado como um dos mais populares da Capcom, não têm suas origens no jogo, mas nas páginas preto e branco de uma antologia de mangá de 1988, Strider Hiryu. O mangá foi serializado entre maio e outubro daquele ano, mensalmente distribuído pela Comp Comics e ilustrada por Tatsumi Wada. A Capcom esteve fortemente envolvida na produção do mangá que conta a história do ex-Strider, Hiryu, que se aposentou depois de matar sua irmã mais velha, Mariya, enlouquecida por razões misteriosas. Há alguns anos desde o incidente, Hiryu é forçado a sair da aposentadoria pelo diretor do grupo Strider, Matic, quando ele diz a notícia da captura de Kain por forças inimigas. O jogo de fliperama foi lançado logo após o mangá terminar, embora, como você pode ver, não tenha muito a ver com o seu enredo.

Blood Bros.

3 de maio de 2018
Blood Bros.

Blood Bros. (ブラッドブラザーズ) é um jogo de tiro desenvolvido e lançado pela TAD Corporation para os fliperamas em janeiro de 1991, no Japão. Blood Bros. é considerado o sucessor espiritual do Cabal (inclusive, é chamado de “cabal shooter”), com mecânica quase idêntica a este jogo, mas ambientado no Velho Oeste. O game nunca foi portado para outras plataformas, mas ganhou uma versão bootleg conhecida como West Story.

Vídeo

O vídeo acima mostra e comenta o gameplay do Blood Bros. Foi feito pelo canal Defenestrando Jogos, em mais um episódio do Fliperama Nostálgico e é bem informativo e descontraído, revelando muitos dados e curiosidades que são a principal fonte desta publicação.

Enredo

No Velho Oeste, bandidos impiedosos liderados pelo Big Bad John, o bandido mais procurado de Dogde City, aterrorizam as pessoas honestas. Dois irmãos de sangue, um vaqueiro e um índio, se juntam para caçar este fora da lei e seus capangas, usando o seu vasto arsenal de armas e a fim trazer a paz de volta a esta terra oprimida.

Gameplay

Como dissemos, o gameplay do Blood Bros. é extremamente similar à máquina anterior da TAD, o Cabal. Inclusive este game foi conhecido em alguns fliperamas brasileiros como “Cabal de Faroeste”. Entretanto, não parece que este game também foi distribuído em uma versão controlada por trackball.

Os protagonistas (pode ser jogado por até dois jogadores ao mesmo tempo) são vistos por trás e o game traz objetos destruíveis de fundo, sendo possível detonar montanhas, casas e muito mais. Algumas telas possuem paredes protetoras (que podem ser danificadas e destruídas pelo fogo inimigo). Os jogadores têm munição ilimitada em sua arma primária, mas um número limitado de bananas de dinamite. Um indicador na parte inferior da tela se esgota à medida que os inimigos são destruídos e certas estruturas da tela são derrubadas. Na conclusão bem-sucedida de um nível, todas as demais estruturas da tela colapsam e os jogadores progridem para o próximo estágio, fazendo algo tipo a dança da vitória do Cabal. As lutas contra os chefões, entretanto, recomeçam se um personagem morre.

Os power-ups aparecem de tempos em tempos, sendo dropados de objetos destruídos na tela ou por NPCs especiais que podem correr, como a pequena figura indígena ou os javalis. Pontos e armas também podem dropados ​​da lata se você atirar nela em pleno ar e fazer malabarismos com tiros. Os power-ups dão armas especiais com maior poder de fogo, concedem dinamites ou pontos adicionais.

Screenshots

Curiosidades

  • Na tela título, consta que o Blood Bros. é de 1990. Entretanto, o game só foi lançado em janeiro de 1991. Provavelmente, o desenvolvimento do game acabou no final daquele ano, mas só pôde ter sido publicado no início de 91;
  • Blood Bros. foi licenciado para Fabtek para fabricação e distribuição nos EUA;
  • Um port do Blood Bros. para o Super Nintendo estava em desenvolvimento, mas o Sr. Fusaki, o desenvolvedor chefe do game, sofreu um derrame e teve que deixar a companhia. O projeto foi eventualmente cancelado, segundo este vídeo.

Cat Revenge

2 de maio de 2018

Cat RevengeCat Revenge é mais um jogo online em Flash tipo Angry Birds que adicionamos aqui depois do sucesso que o Pudding Strike fez em nosso site. Ele não é tão clonado como esse game, mas é o mesmo esquema: o gato Banzai tem que invadir uma fazenda cheia de queijo e leite, mas a fazenda é guardada por cães malignos.

Como esta vigilância constante protege a comida com muito zelo, resta arremessar o gato nas tropas de cães, quebrando madeira e vidro e limpando o caminho para a fazenda. O Cat Revenge promete 20 níveis de gameplay viciante.

Clique Aqui Para Jogar

Anúncio de sabonete líquido do Hokuto no Ken

1 de maio de 2018
Anúncio de sabonete líquido do Hokuto no Ken

Assista este anúncio de sabonete líquido do Hokuto no Ken (Fist of the North Star) muito bem humorado que eu vi por aí e resolvi kibar no nosso canal do Bitchute. Além de engraçado, é também um trabalho muito bem feito, coisa de japonês mesmo, inclusive, um live action com esta produção ficaria excelente.

Para completar, parece que o produto está muito bem avaliado no seu link do Amazon. Pena que deve sair muito caro, além de demorar pra caramba pra gente aqui no Brasil comprar isto, se é que não vai ser roubado pelos bandidos da alfândega ou se eles ao menos enviam pra cá…

Enfim, para quem não conhece Hokuto no Ken (ou só conhece aqueles memes cancerígenos que esses favelados ficaram fazendo no Facelixo), é uma extremamente influente série de mangás japonesa escrita por Buronson e ilustrada por Tetsuo Hara que acabou, eventualmente, sendo adaptada em duas séries de animes, filmes, OVAS, spin offs e games (veja abaixo). Situado em um mundo pós-apocalíptico destruído por uma guerra nuclear, no melhor estilo Mad Max, a história segue Kenshiro, o sucessor de um estilo de arte marcial conhecido como Hokuto Shinken, o que lhe dá a capacidade de matar a maioria dos adversários através o uso dos pontos vitais secretos do corpo humano, muitas vezes resultando em uma morte excepcionalmente violenta e sangrenta.

Além do Mad Max, Hokuto no Ken foi certamente inspirado em grandes filmes do cinema mundial como o Stallone Cobra (1986) e trabalhos do Charles Bronson e Bruce Lee. Inclusive, parece que Buronson, como é conhecido o escritor da obra, é um apelido que lhe foi dado por ele ter deixado o bigodinho (no bom sentido, é claro) pra ficar parecido com o saudoso Bronson, de quem ele era fã.

Saiba mais sobre o Hokuto no Ken e seus games

Como eu disse acima, Hokuto no Ken é altamente influente, especialmente sobre os videogames. Além dos títulos que o adaptaram diretamente, oficiais ou não, esta série inspirou inúmeros outros jogos e franquias, inclusive a icônica Street Fighter. Outro exemplo relacionado a este assunto é o Black Belt, um antigo e querido beat ’em up do Master System que nada mais é do que uma localização ocidental do cartucho Hokuto no Ken japonês.

Abaixo, seguem todos os nossos posts relacionados a esta grande obra, onde se tem mais games, clipes, vídeos e outras coisas que podem lhe ser interessantes.

Clique Aqui Para Assistir Ao Vídeo

Página 3 de 20912345678...20...Última »
  • Seja social e nos siga!

           
  • Páginas

  • Áreas especiais

  • Categorias

  • Parceiros

  • eXTReMe Tracker
    Copyright © 2001 - 2018 Gaming Room. Todos os Direitos Reservados - É expressamente proibida a reprodução total ou parcial deste site sem o consentimento dos autores.