Principais Atualizações

Virus Pinball

22 de outubro de 2018
Virus Pinball

Virus Pinball é um viciante jogo em Flash (online) de pinball onde você tem que usar a bolinha para destruir os vírus, sem deixá-la cair pelo máximo de tempo o possível. Este joguinho, apesar de ter sido feito numa plataforma em desuso, tem bons controles e seus gráficos são agradáveis.

Controles

  • ← e →: Ativa os flippers da esquerda e direita
  • P: Pausa o jogo

Clique Aqui Para Jogar

Ultimate Freedoom

22 de outubro de 2018
Ultimate Freedoom

Ultimate Freedoom é uma conversão em Flash do Freedoom, uma versão livre e gratuita do clássico FPS da id Software que nós sempre falamos por aqui. Na prática, com o Ultimate Freedoom, você pode jogar, no seu browser, uma mistura das fases do primeiro episódio do Doom com as do Freedoom, usando gráficos e efeitos sonoros deste último.

Esta versão desenvolvida pelo Brvasil (quem sempre fazia jogos neste esquema) é quebra-galho, feita pra você mandar de bobeira quando não pode instalar ou jogar o original por algum motivo ou outro. Por outro lado, é uma idéia interessante, pois o Freedoom é totalmente livre, e alguém poderia fazer algo no mesmo esquema, porém deixando mais completo, com mapas diferentes etc.

Controles

  • Enter: Inicia o jogo
  • WASD: Movimentar
  • Barra de Espaço: Atirar
  • CTRL: Abre portas
  • 1 a 5: Seleciona armas

Veja também

  • Os códigos de trapaças do Doom funcionam nesta versão do game.
  • Freedoom – Para você ficar conhecendo mais sobre este projeto open source que promete ser um Doom grátis e que é compatível com a grande maioria dos WADs para este jogo.
  • Freedoom in Doom – Um mod que faz algo parecido com o Ultimate Freedoom, só que usando ports avançados do Doom mesmo.

Clique Aqui Para Jogar

Defenestrando Super Spacefortress Macross 1992

21 de outubro de 2018
Defenestrando Super Spacefortress Macross 1992

Como é domingo, vamos trazer aqui o Super Spacefortress Macross sendo apresentado e comentado em mais um Fliperama Nostálgico, um quadro do canal Defenestrando Jogos. O vídeo é divertido, é bastante informativo e nos trouxe várias informações e curiosidades, dados que usamos nesta publicação.

Super Spacefortress Macross (超時空要塞マクロス) é um jogo de tiro com rolagem vertical desenvolvido pela NMK e lançado originalmente pela Banpresto em setembro de 1992, no Japão. Baseado no filme The Super Dimension Fortress Macross: Do You Remember Love? (1984), este shoot ’em up parece bastante com outros títulos do gênero de sua época, mas teve seu nível de dificuldade planejado para acomodar os novatos.

Embora Super Spacefortress Macross não tenha sido portado para nenhuma outra plataforma, ele ganhou duas sequências, o Super Spacefortress Macross II (1993) e o Macross Plus (1996).

Enredo

No meio de uma guerra entre humanoides aliens gigantes chamados Zentradi, a única defesa humana é a Fortaleza Espacial Macross, a qual abriga milhares de civis na Cidade de Macross. As instituições e os civis sabem que a Terra foi atacada, mas não sabem o que aconteceu aos humanos no planeta. Contudo, é revelado que os machos Zentradi estão numa luta contra as suas contrapartes fêmeas: As Meltlandi. Ambos os gêneros, produzidos pela guerra, têm eventualmente seus valores em choque, devido ao seu contato com a cultura humana, particularmente com a música e o amor.

Os pilotos de elite dos caças VF-1 Valkyrie Max Jenius e Hikari Ichjyuo deve entrar em combate contra os Zentradi através da Cidade Macross, os Anéis de Saturno e a superfície de uma Terra devastada, até travarem a batalha final contra Boddole Zer.

Gameplay

Super Spacefortress Macross tem o gameplay parecido com o Raiden, com os caças Valkyrie podendo ser transformados em um dos três diferentes modos desde que coletado o power-up apropriado: no Modo Caça, a nave faz disparos espalhados; no Modo Gerwalk, se dispara um laser estreito, mas poderoso que atravessa os inimigos; e o Modo Battroid conta com mísseis teleguiados. A intensidade dos ataques podem receber três níveis de upgrades se recolher outro power-up. Existem também bombas que servem para limpar praticamente toda a tela de inimigos com apenas um tiro.

Quando a rara armadura “A” é obtida, o VF-1S se torna um Armored Battroid que pode lançar granadas com misseis. Enquanto esta armadura está sendo usada, todos os power-ups que são recolhidos viram pontos de bônus. Depois de levar um tiro, a armadura some.

Até duas pessoas podem jogar Super Spacefortress Macross ao mesmo tempo e simultaneamente. Eles devem detonar hordas de inimigos até a batalha final com o chefão de cada fase, podendo recolher medalhas e as raras bonecas Minmay através dos níveis para aumentar a pontuação.

Super Spacefortress Macross tem sete fases baseadas em cenas do filme original e, entre elas, tem cutscenes que recriam partes do filme e ilustram o roteiro. Depois que vence o chefão final da última fase, o jogo recomeça automaticamente, devendo as sete fases ser vencidas de novo para ser zerado, quando a tela com os créditos rolam e tal.

Curiosidades

  • Este jogo é conhecido no Japão como “Chou-zikuu Yousai Macross”, traduzido do japonês como “Super Spacefortress Macross” mesmo;
  • Macross é um dos mais importantes animes da época. Depois da série original em 1982 de 36 episódios, lançaram o filme de 1984 no qual este jogo foi baseado. Mais tarde, veio o Macross Flashback 2012, Macross II, Macross Plus (1994, quatro OVAs e um filme), Macross 7 (1993, 49 episódios de TV, 2 OVAs em um filme) e Macross 7 Dynamite (4 OVAs);
  • O filme de 1994 foi escrito de tal a possibilitar ser entendido sem conhecer nenhuma das séries de TV. Desta forma, muitos eventos tiveram que ser alterados. O Studio Nue chegou a considerar uma linha alternativa da série original, mas no primeiro episódio de Macross 7, é estabelecido que o DYRL existe dentro da continuidade oficial de Macross;
  • Vários brinquedos Valkyrie foram posteriormente convertidos em um autobot chamado Jetfire (Transformers). Eles foram proibidos de usar uma Valkyrie no programa de TV, então a versão animada foi redesenhada e renomeada “Skyfire”. Uma versão animada do Jetfire apareceu apenas uma vez no comercial do brinquedo Jetfire;
  • Macross também é conhecida mundialmente como a primeira saga de Robotech (as outras duas sagas adaptadas são Southern Cross e Genesis Climber Mospeada);

Tabela de recordes

A tabela de recordes padrão, tem os nomes de vários personagens do anime:

  1. 3210 1 HIKARU
  2. 2940 1 MAGS
  3. 2390 1 MINMAY
  4. 2020 1 MISA
  5. 1780 1 FOCADOR
  6. 1130 1 CLODIA
  7. 1070 1 KAKIZAKI
  8. 850 1 BRITAI
  9. 380 1 MIRIA
  10. 170 1 BODDLEZE

Staff

  • Designers gráficos: Ikezu Kenzi, Wisaku, NA, Kate Seki, Nao, Mingmei
  • Programação: Ore Dayo, Tommysan
  • Sons: Hide-Kaz, Papa, Manabu Namiki (Taro)
  • Hardware: Yuki, Drunker, Tuna Banan
  • Produção: Toshifumi Kawashima
  • Planejamento: Masahiko Takahashi

Fontes e saiba mais

Clique Aqui Para Assistir Ao Vídeo

Hedon

20 de outubro de 2018
Hedon

Hedon é um jogo de tiro em primeira pessoa desenvolvido por Zan que se passa em um mundo sombrio de fantasia medieval que promete gore, tiroteio acelerado e um arsenal de armas e itens sólido, mantendo o gameplay bem old school.

O design das fases é bastante não linear e requer bastante exploração por parte do jogador. Elas também podem vir em ambientes diversos, como florestas, cavernas, quartéis, forja e montanhas nevadas, todos bem caracterizados.

Ao que parece, o Hedon traz não apenas novos elementos como arsenal, monstros e mapas, todos os seus recursos são originais, a maioria feita pelo próprio autor, que inclusive tem artes conceituais de sua criação e tal. O FPS também conta com trilha sonora própria que foi composta por Alexander Brandon.

Inspirado em títulos como Unreal, Blood, Thief, Arx Fatalis e Serious Sam, o Hedon também usa um engine “velha guarda”, sendo construído usando o GZDoom. Ou seja, embora seja completamente standalone, vindo com executável próprio e tal, não deixa de ser um mod de Doom.

Vídeo

O vídeo acima foi jogado pelo Icarus que também fez uma resenha sobre o Hedon. Como sempre, é um bom trabalho.

Enredo

Zan é uma half-orc que acordou no meio de um túnel sem memória, sem ter a menor ideia de como foi parar lá. Ela começa sua busca para entender o que aconteceu explorando um estranho mundo subterrâneo que está sendo ameaçado pelo ataque repentino de uma massiva força demoníaca.

Screenshots

Saiba mais

  • Hedon no Mod DB – Com mais informações, links alternativos para download, possíveis updates etc. Em inglês.
  • Patreon do Hedon – Para você ajudar o cabra a terminar o seu projeto.
site ou autor do arquivo Zan tamanho do arquivo 129,71 MB licencaGrátis sistemas operacionais compativeisWindows download link Download

ARSENAL

19 de outubro de 2018
ARSENAL

ARSENAL é um mod para Doom desenvolvido pelo Daniel Lemos que traz uma grande variedade de armas, itens e power-ups novos para o icônico jogo de tiro em primeira pessoa da id Software.

O WAD também apresenta telas, HUD, efeitos sonoros, sprites e inimigos novos, além de um nível de dificuldade extra. ARSENAL ainda conta com spawning aleatório de armas (várias com modo de tiro alternativo), monstros que podem dropar alguns pick-ups diferentes do padrão e itens que são estocados no inventário. Também, no PWAD, caso o jogador morra, recomeçará do início da fase, mas todas as armas e itens que ele já tiver recolhido continuarão com ele e os monstros que já tiverem sido eliminados permanecerão mortos.

P.S.: Esta é a versão do ARSENAL lançada em 10 de junho de 2007. Existe uma mais antiga [1], mas ela tem bem menos funcionalidades e fica muito bugada em ports mais atualizados.

Vídeo

Reviewzinho de bobeira do Facínora

Olha, apesar de ser um trabalho relativamente antigo (esta versão é de 2007), o ARSENAL conta com várias modificações avançadas que funcionam sem bugar, de forma equilibrada e combinando com o resto do mod. Elas também proporcionam uma nova experiência no gameplay, forçando o jogador a adotar uma estratégia onde a capacidade ofensiva dos itens pode desempenhar um papel fundamental no combate, mas sem complicar muito, bastando apenas acostumar com o esquema. Outra coisa que posso frisar é que a enorme quantidade de armas e itens novos, somada ao spawning aleatório destes e dos monstros, podem garantir valor de replay ao WAD.

Screenshots

Compatibilidade

Rodei o ARSENAL aqui no ZDoom 2.8.1, GZDoom (1.8.2, 2.4.0 e 3.5.1) e no Zandronum (2.0 e 3.0), com os IWADs do Doom II: Hell on Earth, The Ultimate Doom, Final Doom e de ambas as phases do Freedoom. Parece que funciona de boa com isto tudo.

Saiba mais

  1. ARSENAL original no Doomworld – A versão original do mod que tem bem menos coisa e fica bugada nos ports mais atualizados.
  2. Página de mods do Daniel Lemos, o criador do ARSENAL, com outros trabalhos dele.
  3. Mod recomendado pelo RiboZurai.
  4. Final NeoDoom – Outro mod do Daniel que já cobrimos aqui.
site ou autor do arquivo Daniel Lemos tamanho do arquivo 8,0 MB licencaGrátis download link Download

Brutal Wolfenstein é oficialmente abandonado

18 de outubro de 2018
Brutal Wolfenstein é oficialmente abandonado

O desenvolvimento do Brutal Wolfenstein, o excelente remake brutal do clássico FPS da id Software, Wolfenstein 3D, é oficialmente abandonado. O anúncio foi feito pelo seu próprio desenvolvedor, ZioMcCall, hoje (18 de outubro de 2018) no tópico do WAD no fórum do ZDoom.

Este, aliás, foi o assunto da trigésima sétima edição das Notícias do Facínora, a série de vídeos jornalísticos da Gaming Room:

Pra quem não conhece. o Brutal Wolfenstein é um mod para Doom II que moderniza os elementos do Wolfenstein 3D original e os combina com novas funcionalidades mais modernas, muitas delas típicas do Brutal Doom, do Sergeant Mark IV.

No vídeo, comentei também que o Kriegsland poderia ser um substituto decente para o Brutal Wolfenstein, mas talvez não seja uma boa palavra, visto que o mod do ZioMcCall vai continuar existindo, ele é que desistiu de atualizá-lo. Ou seja, além de ele poder ser jogado até quando existir computador que rode o GZDoom, ainda pode ter seu desenvolvimento retomado por algum outro modder. De qualquer maneira, o Kriegsland é muito bom também e vale a pena conferir.

Atualização: Sergeant Mark IV afirmou que irá assumir o desenvolvimento do Brutal Wolfenstein.

Também falei sobre o REKKR, a total conversion pro Doom que adicionei hoje apenas no site e, novamente, sobre a importância de você juntar-se a nos e se inscrever gratuitamente na nossa newsletter.

Referências e mais informações

  1. Brutal Wolfenstein 3d[ABANDONED] – Tópico do mod no fórum do ZDoom, com o anúncio do ZioMcCall, links alternativos para download do jogo e mais informações em geral. Em inglês.
  2. Kriegsland – O outro excelente mod de Wolfenstein que já falamos bastante na Gaming Room.
  3. Brutal Wolfenstein – A publicação do mod em nosso site, com mais informações, screenshots, downloads. Em português.
  4. Wolfenstein 3D – Post do jogo original cheio de informação e outras coisas para você matar a saudade.
  5. REKKR – Mod citado no vídeo. Uma conversão total pro Doom que se passa em um mundo de fantasia e mitologia céltica e nórdica.

REKKR

18 de outubro de 2018
REKKR

REKKR é um mod que converte totalmente o The Ultimate Doom em um jogo que se passa num mundo de fantasia vagamente inspirado na mitologia nórdica ou céltica que foi dizimado por uma legião de criaturas abomináveis.

Este mod criado pelo Revae e mantém o gameplay vanilla, isto é, sem modificações extravagantes em relação ao Doom puro. Apesar disto, conta com mapas (27 + 8 e ½ mapas secretos), monstros (mais de 10), arsenal, música de fundo, efeitos sonoros, gráficos e outros elementos totalmente novos.

O REKKR é um mod um tanto quanto bem trabalhado, embora seus mapas não são tão intuitivos, precisando de muito backtracking e outras coisas chatas que eu não gosto. Ele tem um esquema interessante que concerte a arma inicial, um arco que atira flechas carregadas com almas dos inimigos que você mata (pelo menos dos que tem alma), e parece que elas somem com o tempo, se você não recolhê-las.

Vídeos

Acima, temos o trailer oficial do REKKR.

Exibir spoiler

Enredo

Quando um guerreiro retorna ao lar, ele encontra sua terra completamente devastada por inúmeras criaturas infernais. Tudo o que ele amava foi destruído, e agora só resta ele levar toda a destruição de volta para estaas abominações e tentar descobrir a causa de toda esta desgraça.

Screenshots

Compatibilidade

O REKKR, segundo o autor, precisa do IWAD do The Ultimate Doom (não testei se pega na phase 1 do Freedoom), e também deve funcionar em qualquer engine avançado com algumas exceções. Pelo o que entendi, o Chocolate Doom, GZDoom (sem OpenGL), Eternity, Zandronum e ZDoom devem funcionar de boa.

Saiba mais

  • REKKR no ZDoom – Tópico no mod no fórum do ZDoom, com mais informações e eventuais updates.
  • Site oficial do REKKR – Com link alternativo para download (no Google Drive), mais informações e para você descobrir como ajudar os criadores do mod.
site ou autor do arquivo Revae tamanho do arquivo 12,31 MB licencaGrátis download link Download

Ninja Spirit

16 de outubro de 2018
Ninja Spirit

Ninja Spirit é um jogo de plataforma desenvolvido e lançado originalmente pela Irem em 1998 para os fliperamas onde um jovem ninja deve lutar contra um enorme exército composto de samurais, demônios e outros ninjas em um Japão feudal fictício.

Conhecido no Japão como Saigo no Nindou (最後の忍道), Ninja Spirit foi portado posteriormente para diversas plataformas, como o PC Engine (1990), Game Boy (dezembro de 1993), Nintendo Wii (11 de maio de 2007, versão de TurboGrafx), Atari ST (1988), Commodore Amiga (1988), Commodore C64 (1990), Amstrad CPC (1990), Amstrad CPC  (1990, “Coin-Op Hits II”) e Sinclair ZX Spectrum (1990).

O Ninja Spirit do Turbografx-16 (PC Engine) foi o primeiro jogo da história a receber um 10 na revista Electronic Gaming Monthly. Em 2010, o site CraveOnline apresentou esta versão no artigo “Top 10 Jogos de Ninja de Todos os Tempos”, comentando: “O Ninja Spirit para o TurboGrafx-16 é muito parecido com o Legend of Kage do NES, exceto que é melhor em todos os sentidos (…) ambos desafiadores e relaxantes ao mesmo tempo.” Até hoje, o port do título da Irem para esta plataforma parece continuar bastante popular.

Enredo

Gekkou (月光), chamado de Moonlight em algumas versões, é um jovem ninja que perdeu seu pai nas mãos de uma misteriosa criatura meio besta e meio humana. Usando suas armas e técnicas especiais, Gekkou agora vai enfrentar um exército de ninjas, samurais e demônios de um Japão feudal alternativo que estarão constantemente tentando matá-lo.

Vídeo

Acima, temos o gameplay do Ninja Spirit sendo explorado e apresentado neste vídeo do Defenestrando Jogos em mais um episódio do Fliperama Nostálgico. O vídeo é bem descontraído sem cair no besteirol, além de ser bastante informativo, sendo a principal fonte de informações deste post.

Gameplay

Ninja Spirit é um jogo que combina plataforma com tiro e rolagem horizontal onde o protagonista parte em uma jornada através de sete fases que consistem em florestas, pântanos, sertões, templos e desfiladeiros. O jogador deve enfrentar os inimigos de cada fase até atingir o seu fim, quando ele confrontará o chefão final.

O ninja está sempre armado com a sua katana, a Rigtheous Cloud, que pode ser usada para atacar em todas as direções, podendo também usar armas extras como as shurikens (Swirling Leaf), bombas (Bamboo Thunder) e a Kurisagama (uma corrente com foice chamada no game de Rising Dragon/Shouryu). Estas armas podem ter seus poderes aumentados com power-ups que podem ser recolhidos ao se derrotar os inimigos.

Existem também pergaminhos que matam todos os inimigos da tela quando encontrados, outros que habilitam um escudo temporário de fogo que mata os inimigos ao lhe tocarem e uns de clones de sombra que executam os mesmo movimentos que o jogador.

Screenshots

As screenshots acima foram tiradas da versão de arcade do Ninja Spirit e foram ampliadas.

Curiosidades

  • Ninja Spirit foi lançado em agosto de 1988 nos fliperamas japoneses com o nome Saigo no Nindou;
  • O título deste jogo traduzido do japonês seria algo como: “Conclusão da Longa Jornada”.

Dicas e manhas

  • Defesa automática: Shuriken e outros projéteis podem ser desviados pela espada do jogador, se ele tiver recolhido o pergaminho power-up que lhe permite balançar sua espada como um arco. Ao movimentar-se, o jogador pode se proteger-se segurando o direcional para cima e pressionando o botão de ataque.

Bip the Caveboy

15 de outubro de 2018

Bip the CaveboyBip the Caveboy é um jogo de plataforma com um estilo retrô bem Super Mario, onde Bip, um garoto das cavernas, tem que recolher moedas, matar inimigos, achar passagens secretas e explorar os níveis.

Este game poderia ser mais trabalhado em relação a alguns sprites pelo menos, pois são meio pixelados demais, parecendo que foram mal cortados… Mas a jogabilidade, o estilo e os gráficos (uns são tirados do game Chuck Rock, outros da mesma fonte do Happylands X-Mas Edition), fez valer a pena adicioná-lo ao nosso site.

Controles

  • Setinhas: Movimentar
  • X: Saltar
  • P: Pausar
  • +: Aumentar volume
  • -: Diminuir volume
  • 0: Tirar o som

Clique Aqui Para Jogar

Defenestrando Rampage (1986)

14 de outubro de 2018
Defenestrando Rampage (1986)

Estamos trazendo aqui o gameplay comentado do Rampage para você ter algo que presta para assistir no domingo. O vídeo foi feito pelo canal Defenestrando Jogos como parte da sua série Fliperama Nostálgico.

Rampage é um jogo desenvolvido e lançado pela Midway (então Bally Midway) em outubro de 1986 onde monstros gigantes tem que espalhar a fúria destruindo várias cidades enquanto tentam sobreviver as ataques dos militares humanos. É inspirado tanto em filmes antigos B de terror, mas eu também diria que tem semelhança com aqueles japoneses de criaturas enormes.

O Rampage saiu posteriormente também para Amiga, Amstrad CPC, Apple II, Atari 2600, Atari 7800, Atari 8-bit, Atari ST, Shockwave, Commodore 64, MS-DOS, Lynx, NES, Master System, TRS-80 CoCo, ZX Spectrum, PlayStation, Xbox, GameCube, PlayStation 2, PlayStation 3, Xbox 360, Game Boy Advance, Dreamcast, PSP, Tandy, Windows e iOS. Para algumas destas plataformas, o jogo foi lançado como parte de coletâneas.

Além destes ports, o Rampage deu início a uma série, sendo sucedido por pelo menos cinco jogos Rampage World Tour (1997), Rampage 2: Universal Tour (1999), Rampage Through Time (2000), Rampage Puzzle Attack (2001) e Rampage: Total Destruction (2006).

O legado do Rampage não parou por aí: além destes vários ports e sequências, ele também ganhou um filme de mesmo nome que saiu em 2018. Ao meu ver, foi merecido. O jogo foi um enorme sucesso de mercado e de crítica e era realmente muito bom. Lembro que fiquei com vontade de jogá-lo por causa do King of the Monsters do fliperama, pois nem sempre dava pra ir, enquanto eu podia alugar o Rampage e jogar no Master System em casa. Acabou que o Rampage era um substituto melhor ainda.

Enredo

Três homens comuns ganham o poder de três monstros mutantes: George, o macaco gigante que foi transformado por uma vitamina experimental; Lizzie, o lagarto gigante que foi transformado por um lago radioativo; e Ralph, o lobo gigante que foi transformado por aditivos alimentícios. Com isso, começam a espalhar sua fúria em grandes cidades americanas uma por uma, destruindo arranha-céus e veículos e devorando ou matando qualquer pessoa que cruzar o seu caminho. Tudo para se tornar a besta mais ameaçadora de todos os tempos!

Gameplay

Em Rampage, os jogadores controlam George, Lizzie ou Ralph (pode ser jogado por até três pessoas ao mesmo tempo na versão do fliperama) e devem tocar o terror em cidades americanas uma por vez, avançando para a próxima quando uma for completamente reduzida a escombros. Veículos como helicópteros, tanques de guerra e táxis também podem ser detonados, e quem destruir mais fará mais pontos, enquanto devorar soldados e transeuntes poderá recuperar energia dos monstros.

Rampage se passa o longo de 128 dias em cidades, começando em Peoria, Illinois e terminando no mesmo estado, em Plano, onde os jogadores recebem um “mega vitamin bonus”, que cura todos os monstros e muitos pontos de bônus. Depois disso, o ciclo das cidades se repete cinco vezes. Após 768 dias, o jogo volta ao dia 1.

Os protagonistas podem escalar os edifícios, socando seus andares até que eles colapsarem, mas devem tomar cuidado com os militares que vão atacá-los de variadas formas, o que irá lhes custar energia. Levar socos de outros monstros, afogar, ser eletrocutado ou comer itens ruins como dinamite também causam dano ao jogador, que se perder totalmente a energia, vai se reverter ao seu estado humano, podendo ser devorado também. Dá pra usar continue antes do sujeito pelado sair da tela.

Dar porrada nas janelas pode revelar itens ou personagens que podem ser úteis ou atrapalhar os monstros. Por exemplo, comida ou dinheiro são bons, mas bombas ou cigarros podem ser perigosos. Alguns destes itens podem ser ambos: por exemplo, uma torradeira é perigosa até a torrada aparecer e um fotógrafo deve ser devorado antes que o flash da câmera deixe o monstro desorientado por um tempo.

Exemplos de bônus e perigos que podem ser encontrados nos edifícios:

  • Comida: leite, peru, torradas e frutas;
  • Bônus: vaso de flores, TV e saco de dinheiro;
  • Perigo: cacto, veneno e torradeira.

Exemplos de bônus e perigos que podem ser encontrados fora dos edifícios:

  • Bônus: automóvel ou caminhão, trem e pessoa no bueiro;
  • Perigo: tanque da Guarda Nacional, carro de polícia e nuvem de tempestade.

Se algum civil fica acenando com as mãos em alguma janela, pedindo por ajuda, ele pode ser agarrado, o que fará a pontuação do jogador aumentar e evitar que os membros da SWAT ataquem o jogador por estar segurando um refém. Cada monstro pode agarrar apenas um tipo de pessoa: George pode segurar mulheres, Lizzie pode segurar homens de meia-idade e Ralph pode segurar empresários.

Algumas das versões caseiras de Rampage começam em San Jose, Califórnia e terminam em Los Angeles, Califórnia, depois de percorrer duas províncias canadenses e quarenta e três estados americanos. Apenas Connecticut, Delaware, Mississippi, New Hampshire, Rhode Island, Carolina do Sul e Vermont são poupados.

Curiosidades

  • O Rampage também foi lançado como um kit de conversão de Star Guards como “Rampage [No. 00F06]”;
  • O jogo incorpora a funcionalidade “JOIN THE ACTION” da Midway, onde cada set de controles incluem um botão start (de salto) correspondente, que é ativado independentemente. Isto permite que uma pessoa inserisse a ficha e começasse a jogar a qualquer hora mesmo com os outros controles em uso. Isto deve ter sido inovador na época;
  • Rampage tem impressionantes 768 fases diferentes. O 128º nível do jogo é ‘Plano, Illinois’, e foi o único com menos de três prédios. Brian, um dos designers, disse que Plano tinha apenas dois edifícios porque era uma cidade pequena na vida real, onde o seu amigo Jeff nasceu e cresceu;
  • Uma máquina do Rampage aparece no Exterminador do Futuro 2, o clássico filme de 1991;
  • Rampage foi incluido como bônus em no Rampage – Total Destruction para o GameCube, PlayStation 2 e Nintendo Wii.
  • Warner Bros. detém todos os direitos de cópia depois que comprou a Midway.

Manchetes

Existem manchetes aleatórias que podem ser encontradas durante o jogo:

  • EX-MUTANT IS ARRESTED FOR STREAKING!
  • LAB SCREW-UP WEARS OFF…FILM AT 11
  • SPOUSE OF MUTANT FILES LEGAL ACTION
  • FORMER BEAST SAYS IT MAY HAPPEN AGAIN
  • STILL AT LARGE…VERY LARGE!
  • IS THERE NO END TO THIS RAMPAGE???
  • PROPERTY VALUES AT ALL TIME LOW
  • YOUR AD HERE CALL NOW! 1-800-ZOO-KEEP
  • JOB OPENINGS IN NATIONAL GUARD!
  • REAL LIFE JEKYLL AND HYDE STORY!!

Clique Aqui Para Assistir Ao Vídeo

  • Inscreva-se na nossa newsletter!

  • Nos siga nas redes sociais!

  • Páginas

  • Áreas especiais

  • Categorias

  • Parceiros

  • eXTReMe Tracker
    Copyright © 2001 - 2018 Gaming Room. Todos os Direitos Reservados - É expressamente proibida a reprodução total ou parcial deste site sem o consentimento dos autores.